quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

UMA DAS MAIORES RESERVAS DE ÁGUA TAMBÉM DE FLORA E DE FAUNA DO INTERIOR DO BRASIL ESTÁ SENDO REDUZIDA, CONTAMINADA, DESTRUÍDA

O Pantanal está encolhendo por conta do avanço do agronegócio e por culpa da falta de gestão governamental para o meio ambiente até ali numa região ícone da nossa última ecologia brasileira


Pantanal está encolhendo alertam ecologistas e cientistas

  
Onça pantaneira cada vez mais ameaçada


José Carlos Castaldi já havia nos informado em sua reportagem para o site Capital do Pantanal que a sua denúncia chegou ao Ministério Público Federal, que ainda não tomou uma posição desde o iníciop de 2017 isso vem sendo esperado: o fato é que este lugar fora do comum para a última ecologia do Brasil na região sul do Mato Grosso, ele que é a maior área tropical encharcada de todo o planeta, já perdeu mais de 22 mil quilômetros nos últimos 15 anos em que vem encolhendo cada vez mais. Vários alertas de ambientalistas, apoiados por geólogos e por biólogos, sinalizam ações poluentes em projetos industriais o que reflete toda uma omissão ou falta de gestão socioambiental dos governantes que priorizam o ruralismo ou as indústrias e não os nossos recursos naturais: "Deveria haver um equilíbrio maior entre os interesses econômicos com os ecológicos para o Pantanal ser sustentável, o país está perdendo uma riqueza extraordinária", comentou por telefonema à redação do nosso blog Folha Verde News, Mariana Soares, pesquisadora brasileira com doutorado na Alemanha em recursos hídricos. 



Até no Pantanal fontes de poluição...


 Até os jacarés estão diminuindo sua população


A postagem no site pantaneiro feita já há 8 meses só agora está sendo publicada em grandes jornais e portais de notícias, mas pelo menos esta sendo divulgado este problema. Várias mídias tem sido alertadas por ecologistas, cientistas, pescadores, turistas e até empresários em Corumbá, para que o MPF verifique esta situação em geral e em especial a poluição que provocam dois lançamentos de lodo resultante do tratamento de esgotos no Rio Paraguai, onde ficava o atracadouro de embarcações.A poluição desse rio com o fedor antinatural, as águas do Paraguai estão assoreadas. Biólogos entrevistados pelo jornal Folha de São Paulo afirmam que existe ali um processo avançado de ‘eutrofização’, cujas conseqüências serão: mortandade de peixes, assoreamento por acúmulo de resíduos, modificações na vegetação aquática, escassez de vegetação típica (camalote). E o pior de tudo: o resultado desse descarte irregular de resíduos, facilmente identificados na saída da carga química, seria proveniente das galerias de estações de tratamento de esgotos (ETES) da Sanesul, de onde deveria partir do exemplo. Para falsear a qualidade da água, ali perto reutilizada para captação, a empresa lança grandes quantidades de cal para reduzir a acidez. Mas ambientalistas colheram amostras da água para análise num laboratório em Campo Grande. O resultado confirmou que o nível de oxigênio na água estava alterado em mais que o dobro do permitido, o que por si só confirma a poluição do Rio Paraguai por ali na porta de entrada do Pantanal do Brasil.  


Pantanal de tanta beleza, riqueza de fauna, flora e águas...



Pantaneiros já observam rota de fuga de Araras Azuis

 
Geólogos, hoje, estão absolutamente seguros de que esta vasta área entre Brasil, Paraguai e Bolívia, antes do descolamento da placa continental desde a África, acomodou um dia o chamado Mar de Xaraés. Tanto que o Pantanal de hoje ainda tem algumas baías salgadas, muitas das quais ameaçadas pela poluição e por alterações nas curvas do rio Paraguai, em decorrência de projetos despreocupados com o meio ambiente. Mesmo assim, este espaço próprio à reprodução, ainda tem área de 180 mil kms2, tamanho aproximado ao da Síria que tem 185 mil quilômetros quadrados. Mas as emissões de gases, em conseqüência do efeito estufa, aumentaram 9% ano passado. Alimentadas pela transformação de terra florestal em pasto e para outras atividades industriais e comerciais da soja, poir exemplo. Os ambientalistas rejeitam a força do lobby ruralista que predomina no Congresso Nacional e nas prioridades governamentais do país. Hoje, praticamente, apenas a Mata Atlântica ainda se encontra protegida. Como no Pantanal os proprietários tiveram poucas restrições, valorizaram suas terras para extração de matérias primas e produção agropecuária. Para se dimensionar isso, em 2017 e 2016  houve expansão de 19,4 mil kms2 de campos de soja no Mato grosso do Sul. E, a possibilidade de regulamentos mais rígidos para a região continua só nos discursos e no papel de projetos. A legislação que garante o desenvolvimento sustentável para o Pantanal está emperrada desde 2011. Projetos, sem responsabilidade ambiental alguma, continuam devastando o solo, poluindo e desviando rios. Com isso estão destruindo recursos hídricos, acabando com a fauna, desequilibrando a flora nativa, modificam a alternância de temporadas, entre secas e cheia. O que pode até explicar o fato de já estar chovendo forte e com tamanha frequência, ultimamente ali no império das águas pantaneiras. Do jeito que as coisas vão o Pantanal daqui uma ou duas décadas será apenas um vídeo da nossa última natureza do interior do Brasil. 



Quem sabe dos problemas ouve canto das aves como sinfonia do adeus



(Confira mas informações e mensagens na seção de comentários aqui no nosso blog)
 


Foco da poluição no Pantanal no Rio Paraguai



Pantanal com tantos peixes e recursos hídricos sobreviverá?

 
Fontes: www.capitaldopantanal.com.br
              folhaverdenews.blogspot.com

8 comentários:

  1. Eis o que constou do laudo laboratorial das águas do Rio Paraguai na região de Corumbá: "O teste de DBO é um bioensaio, procedimento no qual o resíduo é biologicamente oxidado sob condições controladas a fim de se estabelecer o consumo de oxigênio e, consequentemente, estimar, aproximadamente, a quantidade de matéria orgânica biodegradável presente em uma amostra de água" (GASTALDINI e MENDONÇA, 2001). Pode-se afirmar que nos locais onde o valor de DBO for alto, provavelmente os valores de oxigênio dissolvidos serão baixos e a concentração de matéria orgânica será alta. Neste caso, o meio pode tornar-se anóxico, limitando a vida aquática. “Os maiores aumentos em termos de DBOS num corpo d'água são provocados por despejos de origem predominantemente orgânica”.

    ResponderExcluir
  2. "Em Corumbá, duas galerias desembocam nas águas do Rio Paraguai. Acredita-se que uma seja de águas pluviais e a outra proveniente de uma estação de tratamento de esgoto, que libera os resíduos sem tratamento nesse rio vital para o Pantanal. Os pescadores afirmam que há mais de 20 anos essa agressão ambiental acontece ali. O IBAMA e o IMASUL foram notificados após mortandade de peixes. Trocaram responsabilidades e não tomaram providências. O Ministério Público vai tentar evitar que isso se transforme em desastre ecológico pior que o do rio Taquari. Isso ameaça o maior santuário da reprodução de aves, mamíferos e a sobrevida fluvial de peixes, répteis e crustáceos": trecho da denúncia do repórter e ambientalista José Carlos Castaldi ao MPF.




    ResponderExcluir
  3. Por sua vez, a Folha de São Paulo culpa também a omissão da autoridade brasileira. Faz alusão a necessidade do presidente Michel Temer aumentar concessões ao lobby ruralista no parlamento, para manter-se no poder, como concorrente a sérios e irreversíveis danos ambientais. Temer teria tirado o Brasil do acordo de Paris por ‘debaixo dos panos’. Burlou até a Constituição de 88, que previa normas para ‘defender e preservar o meio ambiente para as atuais e futuras gerações’. A Carta estabeleceu os cinco principais biomas, sendo o Pantanal um deles, diz a matéria.

    ResponderExcluir
  4. Logo mais, mais comentários, aguarde nossa edição, confira depois, coloque aqui sua opinião ou mande uma mensagem para a redação do nosso blog da ecologia pelo e-mail navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  5. Para enviar vídeos, fotos ou outros materiais de informação vc pode também mandar diretamente pro e-mail do nosso editor de conteúdo deste nosso blog padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  6. "Esta é a notícia que eu jamais gostaria de estar lendo, o Ministério Público tem que tomar ação e defender os recursos hídricos e naturais do país até por obrigação legal": comentário de Isidoro Mendes Souza, que já foi fotografar e fazer vídeos em 3 ou 4 regiões do Pantanal.

    ResponderExcluir
  7. "Poxa, o ecoturismo pode muito bem financiar toda a recuperação e preservação do Pantanal, uma opção entre as melhores para os que desejam vivenciar as águas, a fauna e a flora do Brasil, mas realmente, é falta de governo ambiental": comentário de Analice dos Santos, do Rio de Janeiro, que estuda e trabalha na área de educação ambiental em Belo Horizonte (MG).

    ResponderExcluir
  8. "Estive recentemente participando duma competição equestre em Cuiabá e me surpreendi com a velocidade e a beleza dos cavalos pantaneiros, produto da natureza que lá ainda resiste. o Brasil tem que se unir na meta de preservar o Pantanal, financiar a sua gestão sustentável através do turismo ecológico e não privar nossa crianças e futuros brasileiros deste oásis": comentário de Alfredo Campo, Haras Árabe, nordeste paulista.

    ResponderExcluir

Translation

translation