domingo, 7 de janeiro de 2018

O QUE ECOLOGISTAS, CIENTISTAS E POPULAÇÃO ESPERAM DO 8º FÓRUM MUNDIAL DA ÁGUA EM BRASÍLIA AGORA EM 2018

O governo do DF aguarda 40 mil pessoas no evento e a expectativa da sociedade civil é que a questão ambiental comece realmente a ser valorizada aqui no país que um dia já foi da natureza


Água: grande preocupação atualmente no país e no planeta
 


O Distrito Federal informou esperar 40 mil pessoas no 8º Fórum Mundial da Água, que acontecerá entre 18 e 23 de março com o tema "Compartilhando Água",  sendo que os participantes do evento – governantes, sociedade civil, empresas e instituições científicas – deverão debater oferta e preservação dos recursos hídricos brasileiros e mundiais: "Será um momento histórico para Brasília, porque vamos reunir em torno de 7 mil estrangeiros, os maiores especialistas sobre água do mundo, vários Chefes de Estado e o secretário-geral da ONU António Guterres", comentou um dos organizadores na CBN. O evento acontece meses após a capital do país e outras várias regiões brasileiras sofrerem a pior crise hídrica dos últimos 100 anos. 




Nem precisa ir longe, dentro e do lado de Brasília problemas hídricos


Matéria no G1 destaca que esta será a primeira vez que o Hemisfério Sul sediará este fórum, que é considerado o maior evento sobre um assunto de extrema importância na atualidade. Tudo vai rolar em dois locais: o Centro de Convenções Ulysses Guimarães e o Estádio Nacional Mané Garrincha. Uma das novidades será a Vila Cidadã, dentro e em torno do estádio que finalmente tem uma utilização (virou um elefante branco após a Copa de 2014). Na área, de acesso gratuito, talvez a mais importante, haverá debates, exposições, palestras, atividades culturais alternativas, shows, artesanato e área de alimentação para todos os tipos de consumidores, até vegans e vegetarianos. Será preciso inscrição prévia para acessar a área de exposições e feiras, que funcionarão também como um espaço para roda de negócios, na agenda também, mostras científicas e estandes de instituições que participam do evento.Neste ponto, a seguir um destaque à parte, confira.


No Brasil a maior seca dos últimos 100 anos deixa sequelas

Fórum no DF foi discutido no Conselho Internacional da Água


Grandes empresas transnacionais também estão se inscrevendo neste fórum hídrico, casos da Coca Cola e da Nestlé, que geram alguma desconfiança entre ambientalistas. É claro que água é do interesse dos mais variado setores, até da indústria de refrigerantes e de alimentos. Uma grande empresa internacional na área de saneamento básico também se inscreveu, a BRK Ambiental, do Canadá. Outras tipo Suez Group ou Antera Group também já formalizaram a sua inscrição. O que ecologistas esperam é que o evento de valor ambiental não se transforme apenas num water business...O acontecimento urgente em termos de ecologia tem também o lado econômico. 


Do lado fórum o lago de paranoá vive seu drama diário

Regiões como Nordeste, Norte de Minas, Cerrado entre outras, no sufoco


O 8º Fórum Mundial da Água (provavelmente o maior evento internacional previsto para ocorrer no Brasil em 2018) representa uma oportunidade única para o Distrito Federal e o Entorno, as cidades satélites, o Cerrado, o interior do Brasil. Um acontecimento desse porte movimenta muitos setores sociais e econômicos. A expectativa de impacto na economia de Brasília, a cidade-sede, é de R$ 84 milhões, levando-se em conta tudo o que será consumido durante a realização do fórum, avalia Rodrigo Cordeiro, do site Metrópoles. A capital deverá receber 7 mil congressistas, representantes de todos os estados brasileiros e de cerca de 100 países. A expectativa é que entre 33 mil e 45 mil visitantes passem pela Vila Cidadã e pela feira, os únicos espaços gratuitos e abertos à população em geral durante o evento. Desse total de 40 mil pessoas, aproximadamente 70% virá de fora de Brasília, pagando para participar de tudo. "Esperamos que os brasileiros comuns não fiquemos apenas na torcida, afinal na questão da água nosso país é fundamental", argumentou Pedro Paulo Mendes, estudante de Biologia na Universidade Federal do Mato Grosso. O crescimento do fluxo de turistas em Brasília e a movimentação gerada pelo fórum também demandarão investimentos em treinamento e capacitação de mão de obra, além de contribuir para gerar mais empregos formais. Estima-se a criação de 2.500 novos postos de trabalho, sendo 750 diretos e 1.750 indiretamente ligados ao Fórum da Água.
 

Fórum Social e Econômico também debateu a questão água

 
(As inscrições e outras informações mais sobre o 8º Fórum Mundial da Água, bem como mensagens e opiniões você pode conferir na seção de comentários aqui no blog da gente)
 
 
Esportistas sugerem canoagem no lago de Paranpá durante evento

Jovens drogados e marginalizados já invadem entorno do Mané Garrincha


Fontes: CBN - G1 - Metrópoles 
             folhaverdenews.blogspot.com

9 comentários:

  1. Criado em 1996 pelo Conselho Mundial da Água, o Fórum Mundial da Água foi idealizado para poder estabelecer compromissos políticos ou públicos acerca dos recursos hídricos. Brasília sediará o evento em março de 2018 que ocorre a cada três anos e já passou por Daegu, na Coreia do Sul (2015); Marselha, na França (2012); Istambul, na Turquia (2009); Cidade do México, no México (2006); Kyoto, no Japão (2003); Haia, na Holanda (2000); e Marrakesh, no Marrocos (1997).

    ResponderExcluir
  2. 8º Fórum Mundial da Água/8th World Water Forum
    Brasília, 18 a 23 de março de 2018
    Debates: Centro de Convenções Ulysses Guimarães
    Vila Cidadã: Estádio Nacional Mané Garrincha

    ResponderExcluir
  3. As inscrições para o Fórum foram abertas no dia 26 de outubro e interessados de 23 países já se cadastraram através do site www.worldwaterforum8.org/pt-br

    ResponderExcluir
  4. “É a primeira vez na história mundial deste evento que nós estamos convidando o público em geral para participar. Isso traz uma nova visão para o Fórum, muito importante no sentido de abrir o evento para a sociedade”: comentário que está na divulgação oficial do 8º Fórum Mundial da Água no Brasil neste ano.

    ResponderExcluir
  5. A novidade no Brasil será a Vila Cidadã, um espaço gratuito e aberto ao público em geral, que contará com arena de debates, exposições, palestras, cinema, artesanato, talk shows e espaço gourmet.

    ResponderExcluir
  6. 60 iniciativas sociais ligadas a boas práticas no uso da água foram selecionadas. Essas experiências irão compor o Mercado de Soluções, um dos espaços da Vila Cidadã. As propostas foram enviadas em português, inglês ou espanhol e o resultado da seleção será divulgado agora em janeiro de 2018 pelos organizadores do 8º Fórum Mundial da Água: Conselho Mundial da Água (WWC), Ministério do Meio Ambiente (MMA), representado pela Agência Nacional das Águas (ANA), Governo do Distrito Federal, representado pela Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento do Distrito Federal (Adasa). A Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib) é integrante do Comitê Organizador Nacional (CON).

    ResponderExcluir
  7. "As inscrições para o 8º Fórum Mundial da Água, que ocorrerá em Brasília, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, de 18 a 23 de março, estão abertas no portal do evento. É possível participar de todos os painéis — com o passaporte para os seis dias —, comprar um passe para três dias ou adquirir passes diários. Os valores do primeiro lote,são: R$ 350 para a entrada diária; R$ 680 para três dias; e R$ 1.138 para o pacote de seis dias. É possível participar com o passaporte para os seis dias, com um passe para três dias ou com passes diários. Estudantes têm desconto e pagam R$ 140 no tíquete por dia, R$ 280 no passe para três dias e R$ 455 no passaporte completo. Pela primeira vez, o fórum será sediado no Hemisfério Sul. O tema da oitava edição, Compartilhar a Água, será debatido por representantes de governos, da sociedade civil, de empresas públicas e privadas e de organizações não governamentais de diversos países. A organização espera receber mais de 60 chefes de Estado em Brasília, especialistas internacionais renomados. Na programação, estão previstos mais de 200 debates e atividades educativas, informativas e culturais. Esta edição brasileira do evento terá espaço gratuito, chamado
    Vila Cidadã. Aberto à população, o local contará com arena de debates, palestras, exposições, cinema, artesanato, talk shows e espaço gourmet.
    A estrutura ficará no Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha, próximo ao Centro de Convenções Ulysses Guimarães": comentário da Agência Brasília.

    ResponderExcluir
  8. "Tenho minhas cismas com empreas como Coca Cola ou Nestlé que enfocam a água como negócio e pior ainda há interesses de empresários americanos de explorar o Aquífetro Guarany, reserva brasileira de água, bem como captar no subsolo brasileiro Gás de Xisto, o que acaba com nossos recursos hídricos, isso precisa ser levado em conta": comentário de Heitor Tavares, de Brasília (DF), que nos manda fotos do Aquífero e de manifestações contra o Gás de Xisto nos Estados Unidos.

    ResponderExcluir
  9. "Paea cuidar de problemas como secas, enchentes, recursos hídricos, poluição etc. o Brasil precisa urgente de ter gestão ambiental governamental em todas as esferas e regiões, o que hoje não tem, algo que explica também a situação dramática de nossas águas": comentário de Rubens Pereira, de São Paulo, advogado especializado em Direito Ambiental.

    ResponderExcluir

Translation

translation