segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

PESQUISAS TÊM MOSTRADO QUE QUASE METADE DA POPULAÇÃO DO BRASIL É FAVORÁVEL À PENA DE MORTE (URGENTE PREVENIR E EVITAR TODO TIPO DE VIOLÊNCIA INCLUSIVE FALTA DE INFORMAÇÃO)

País dividido nesta questão que reflete a realidade de violência crescente em vários setores da vida: aqui, resumo da pesquisa CNI/Ibope Retratos da Sociedade Brasileira mostra a divisão: 46% querem pena de morte mas 46% rejeitam a medida, já outra pesquisa (Datafolha) conclui que 57% da população hoje pedem a pena fatal


Hoje urgentes medidas públicas para prevenir e conter todo tipo de violência


A pesquisa Retratos da Sociedade Brasileira: segurança pública, realizada pela CNI/Ibope e agora (diante da onda crescente de fatos violentos em várias áreas do Brasil) sendo analisada agora por especialistas aponta que 79% dos entrevistados acreditam que penas mais rigorosas podem reduzir a criminalidade. Entre os entrevistados, 46% defendem a pena de morte (31% defendem totalmente e 15%, em parte). A prisão perpétua é também aceita por 69% dos entrevistados. A pesquisa também aponta que 86% dos entrevistados aceitam a redução da maioridade penal. Assim como 46% dos entrevistados defendem a pena capital, o mesmo percentual rejeita a prática, o que representa uma divisão clara na sociedade entre os que são a favor ou contra a pena de morte: "Claramente a gente sabe que há uma divisão na pena de morte, que realmente não é um consenso", disse o executivo da pesquisa, Renato da Fonseca. A questão de cidadania que porém nos parece de maior urgência não está contemplada neste levantamento de opinião pública: o que pode ser feito pelos governos e pela população para diminuir tantas formas de agressão no dia a dia das pessoas, violência criminal, social, econômica, ecológica, enfim, as perguntas que não foram feitas pelos pesquisadores mas não querem calar é: o que precisa ser feito para melhorar a nossa qualidade de vida? Há políticas públicas que possam prevenir e evitar o aumento da violência no país?





Os principais resultados desta pesquisa CNI/Ibope apontam que mais da metade da população (51%) considera a segurança pública no Brasil "ruim" ou "péssima". Os temas segurança pública e drogas aparecem respectivamente em 2º e 3º lugares entre as maiores preocupações dos brasileiros, atrás apenas da saúde, que é apontada por 52% como mais preocupante. E atenção: uma outra pesquisa saindo hoje mostra a situação mais grave ainda: em resumo, informa que o apoio à pena de morte no Brasil cresceu na última década e agora bateu um recorde. Atualmente, 57% dos brasileiros seriam favoráveis à execução máxima, contra 47% registrados em 2008, segundo uma pesquisa sendo divulgada pelo instituto Datafolha.



Sobre o desarmamento, 70% se mostraram contrários ao direito ao porte de armas. O uso das Forças Armadas no combate à criminalidade é aceito por 79% dos brasileiros. A privatização dos presídios também foi verificada pela pesquisa e 53% se mostraram favoráveis. Fica muito claro que as pessoas não estão podendo circular livremente pela cidade. Claramente a violência está impactando na vida das pessoas e nos hábitos das pessoas, são algumas das conclusões de especialistas em cima dos números levantados pela pesquisa. Por exemplo, ao menos quatro entre cinco brasileiros concordam com a redução da maioridade penal para 16 anos, revela a radiografia Retratos da Sociedade Brasileira: Segurança Pública: se mostram totalmente a favor da polêmica medida 75% dos entrevistados e parcialmente a favor, 11%. Os que são contrários total e parcialmente somam somente 9%. "Os crimes praticados por menores são uma preocupação da população, que também demanda ações mais severas nesses casos", afirma o documento. Além disso, os que acham que atribuição da responsabilidade penal somente a partir dos 18 anos incentiva a participação de menores de idade em crimes somam 83%, enquanto os que discordam são 9%. Esta pesquisa foi realizada em 4 dias ao longo de 2017 com eleitores de 16 anos ou mais. Foram realizadas 2.002 entrevistas em 141 municípios do Brasil. A margem de erro é de dois pontos porcentuais para mais ou para menos.



Variadas formas de violência de todos os tipos no Brasil (nem precisa legenda)

 
 
 
 


(Confira mais algumas informações e detalhes deste levantamento muito oportuno hoje, inclusive também a questão das drogas na seção de comentários aqui no blog da cidadania e da ecologia) 


A questão é de cidadania e de cultura também não só caso de polícia


Fontes: IstoÉ - Terra - Reuters
             folhaverdenews.blogspot.com

8 comentários:

  1. Fundamental ser levado em conta outro enfoque, a violência do estado contra os direitos dos cidadãos e cidadãs...Isso também precisa hoje ser pesquisado.

    ResponderExcluir
  2. Esta violência do estado, inclui também o mau exemplo dos políticos em geral, bem como a falta de políticas públicas para prevenir e/ou evitar um aumento cada vez maior de fatos violentos de vários tipos e em todos os setores da nossa vida.



    ResponderExcluir
  3. Nesta pesquisa CNI/Ibope. ao se analisar os brasileiros a favor da redução da maioridade penal sob a perspectiva do nível de instrução, a pesquisa mostra que a concordância com a medida é generalizada – em todos os estratos os índices ficaram entre 73% e 76% que são totalmente a favor. O mesmo acontece na divisão por regiões, em todas a variação foi de 73% a 76%. As diferenças aparecem quando são levadas em consideração a questão da renda familiar e a idade do entrevistado. Complete a informação no próximo comentário.

    ResponderExcluir
  4. mais um dado da pesquisa CNI/Ibope. Enquanto entre brasileiros com renda familiar de até dez salários mínimos, os que são totalmente a favor da redução da maioridade penal oscilam entre 70% e 77%, já entre aqueles ganham mais do que dez salários mínimos, o índice é de 63%. Na estratificação por idade, o maior porcentual aparece entre aqueles que estão nas faixas etárias de 25 a 29 anos (79%), 30 a 39 anos (também 79%) e de 50 anos ou mais (77%). Já entre os entrevistados que têm de 40 a 49 anos, 71% são totalmente a favor da medida, e entre os com 16 até 24 anos, esse índice é de 69%.



    ResponderExcluir
  5. Sobre a questão das drogas nesta pesquisa hoje base da nossa postagem neste blog, o levantamento CNI-Ibope informa ainda que 70% dos entrevistados discordam que legalizar a venda e o uso da maconha reduzirá a criminalidade. Já para 23%, essa é uma medida positiva para a segurança pública. No entanto, a maior parte dos consultados (65%) concorda totalmente ou parcialmente que a proibição de venda de bebidas alcoólicas após a meia noite contribui para a queda no número de crimes. Um quarto (25%) tem opinião contrária.


    ResponderExcluir
  6. Logo mais, comentários, opiniões, coloque aqui ou envie uma mensagem com este conteúdo para a redação do nosso blog navepad@netsite.com.br e/ou mande vídeo, fotos, material de informação diretamente pro e-mail do editor de conteúdo deste blog de ecologia e de cidadania, nestes casos, envie para padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  7. "Realmente, a questão da violência é mais ampla e atinge mais setores que não foram analisados nesta pesquisa CNI/Ibope, de toda forma ela nos ajuda a questionar a realidade": comentário de Irani dos Santos Silva, do Rio de Janeiro (SP), que nos manda material que ele chama de "violência dos baixos salários para professores no Rio e em todo o país".

    ResponderExcluir
  8. "Acaba de sair e estou te passando aí pro blog uma outra pesquisa, essa da Datafolha, que mostra um índice mais grave ainda. apoio à pena de morte no Brasil cresceu na última década e bateu um recorde. Atualmente, 57% dos brasileiros seriam favoráveis à execução máxima, contra quase 47% registrados em 2008, é o que conclui a pesquisa divulgada pelo instituto Datafolha": comentário de João Carlos Ribeiro, de São Paulo, economista, a quem agradecemos o envio de mais estes dados.

    ResponderExcluir

Translation

translation