terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

ASTRÔNOMO AMADOR DÁ LIÇÃO DE CIDADANIA ESPACIAL NA NASA E VIRA ÍCONE DO MOVIMENTO PARA LIMPEZA DO ESPAÇO EM TORNO DA TERRA

Scott Tilley encontrou um satélite perdido há uma década pela Nasa: ele fazia observações do espaço em sua casa no Canadá e encontrou o satélite Image desaparecido desde 2005 e virou ícone nas redes socias críticando o lixo espacial

 

Scott Tilley, um pioneiro da cidadania espacial


Scott Tilley, astrônomo como opção de lazer, estava procurando encontrar o Zuma, satélite americano espião que, segundo o Pentágono, não conseguiu entrar em órbita e desapareceu pouco após seu lançamento, ainda agora em janeiro e por sua determinação com equipamentos precários, caseiros, também por um golpe de sorte, achou outro objeto perdido no espaço, o satélite Image. Internautas estão citando este fato como uma forma de criticar a agência espacial americana e vendo na ação do canadense Scott Tilley, de 47 anos,um caso de cidadania espacial, muita gente acredita que a Nasa deveria recolher o lixo espacial nas proximidades da Terra: "Se esse cara sozinho fez isso, o que a Nasa com todos seus equipamentos de ponta e equipes não conseguiria fazer?", questiona o jornalista Jim Anderson, que integra um movimento contra o acúmulo de lixo em torno do nosso planeta, alertando que hoje há mais de 23 mil fragmentos voando o ar dentro da nossa biosfera, onde já foram constatados segundo a ESA (agência espacial da Europa) que adverte também, além da questão ecológica, sobre o risco de colisões com satélites e naves espaciais. "Tilley estava rastreando um possível OVNI de ET mas encontrou  um objeto muito bem identificado, um satélite que virou lixo exportado pelos humanos pro espaço sideral", comentou com humor crítico Jim Anderson, na sua time line.

Nasa lançou o satélite Image em 2000, perdeu ele em 2005 e parou de buscá-lo em 2007 | Foto: Nasa
 Este é o satélite da Nasa que Scott Tilley encontrou vagando no espaço




Scott Tilley esportista, ecologista, cidadão espacial...

O satélite encontrado pelo aeronauta de lazer e ecologista espacial Scott Tilley havia sido lançado pela Nasa em 2000, se perdeu em 2005 e a agência espacial americana parou de tentar encontrá-lo há 10 anos, agora, foi encontado como um dos milhares objetos qe vagam como lixo espacial. Agora, dias, atrás, 20 de janeiro, Tilley se deparou com o  satélite perdido, o Image, que fazia parte de uma missão para analisar o impacto dos ventos solares sobre a atmosfera terrestre e do qual não tinha mais rastros desde 2005 e parou de procurar em 2007. Depois de ver e ouvir os primeiros sinais no centro de observação improvisado (mas pelo visto, eficiente) que mantém em sua própria casa, o novo herói confirmou que havia encontrado o Image: "Se foi possível encontrar um satélite perdido no céu, com certeza você consegue encontrar quem o colocou lá", disse a mulher,de Tilley, meio preocupada com o achado. E não deu outra. Ele fez isso. E a Nasa confirmou, agora no dia 30 de janeiro, que realmente se tratava do satélite Image. Scott Tilley parece nem vai ser remunerado pela agência do setor aeroespacial dos Estados Unidos, mas pelo seu ato de cidadania e novo herói do espaço (sem arredar pé da Terra) já há um movimento para que ele tenha patrocínio e consiga manter um observatório mais completo no pequeno centro espacial na sua casa no Canadá.






Scott Tilley tem por sinal como hobby rastrear satélites espiões e depois deste achado cientistas do Centro Espacial Goddard, em Maryland, afirmaram que o sistema de controle principal do satélite ainda funciona, mas que levará entre uma e duas semanas para eles terminarem de analisar o estado dele e adaptarem seus programas e a base de dados a sistemas mais modernos. Bem mais modernos que os equipamentos improvisadps de Tilley.

 
O equipamento básico de Tilley para rastrear satélites espiões



Go looking flying saucers in the sky...

Scott Tilley sabia que desde 1978, a quantidade de lixo espacial triplicou, o que aumenta o risco de colisões, como já advertiu o diretor do departamento de lixo espacial da Agência Espacial Europeia (ESA), Heiner Klinkrad: "Em algumas poucas décadas, este entorno poderá ficar instável", afirmou Klinkrad durante a 6ª Conferência Europeia sobre Lixo Espacial, realizada antes desta ocorrência em Darmstadt. Atualmente, há mais de 23 mil fragmentos de lixo com mais de 10 centímetros - segundo estimativas da ESA -, a maioria em órbitas baixas (abaixo dos 2 mil km), utilizadas por satélites de observação da Terra ou pela Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês). Hoje há centenas de milhares de objetos de 1 a 10 centímetros ou até bem maiores vagando no espaço e embora pareçam inofensivos ou inocentes, estes fragmentos, girando na órbita terrestre a uma velocidade média de 25 mil km/h podem avariar um satélite ou algum desastre espacial, de acordo com especialistas ouvidos pela BBC. A informação é que em média, a cada ano a Estação Espacial Internacional deve fazer uma manobra para evitar uma potencial colisão. E, segundo a ESA, a cada semana uma dúzia de objetos se aproximam a menos de 2 km de um satélite. A Nasa não fez muitos comentários a este respeito, preferindo elogiar a perícia de Scott Tilley que com um equipamento modesto e ao custo de 5 mil dólares não ficou famoso por rastrear algum satélite espião nem por encontrar um ET nas redondezas e sim por achar mais um elefante branco do espaço, para não dizer, lixo espacial. A agência Reuters noticia que Scott Tilley pretende ainda encontrar por sua conta o satélite espião Zuma, pirata do espaço sideral.  Esta história tem tudo para virar um filme de Steven Spielberg.


(Confira na seção de comentários aqui do blog mais detalhes sobre esta aventura e também sobre o problema ecológico do lixo espacial que o ser humano cria dentro ou fora da Terra com uma overdose que já coloca o planeta e a nossa espécie em estado crítico)  


Tentando rastrear o misterioso satélite X Zuma...
..Tilley encontrou um grande lixo espacial da Nasa...


 Já rola um zumzumzum que Scott Tilley vai virar filme de Spielberg...


Fontes: BBC - Terra - Reuters - G1
             folhaverdenews.blogspot.com

8 comentários:

  1. A desculpa do Governo dos Estados Unidos, diante deste relativo vexame, para não promover uma limpeza ecológica em torno da Terra é que isso implica num custo, mas segundo ecologistas ele é inferior ao que custaria a destruição dos satélites devido a um choque contra estes resíduos (ao redor de US$ 100 bilhões). De toda forma, já se sabe que na melhor das hipóteses, essas "missões de limpeza" não começarão antes de dez anos.

    ResponderExcluir
  2. "Nenhum país tem o direito de enviar coisas ao espaço sem divulgar para as pessoas o que são e onde estão. Fazendo essa busca, eu garanto que o que está lá em cima não vai causar danos para ninguém aqui no chão": comentário do astrônomo amador Scott Tilley, do Canadá, sobre satélites espiões (tipo o misterioso Zuma, que ele procura) ele que virou herói do espaço sem tirar o pé da Terra.

    ResponderExcluir
  3. "WASHINGTON - Um sofisticado e caro satélite espião americano presumivelmente sofreu perda total depois de não alcançar a órbita no topo de um foguete da Space Exploration Technologies (SpaceX) no domingo, de acordo com funcionários da indústria e do governo. Legisladores e funcionários do Senado e da Câmara foram informados sobre a missão Zuma, que continua um mistério no espaço": comentário de agências de notícias sobre o Zuma, possivelmente, satélite espião do States, que estava na mira do observador Tilley.





    ResponderExcluir
  4. Logo mais mais informações relacionadas à aventura de Scott Tilley, que continua procurando o Zuma, e da questão do lixo espacial: participe desta matéria colocando aqui o seu comentário, se precisar ou então preferir, mande a sua mensagem pro e-mail da redação deste blog navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  5. Material de informação, vídeo ou fotos você pode também enviar diretamente pro e-mail do nosso editor de conteúdo deste blog padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  6. "Uma linda história de cidadania ecológica e de heroismo nessa era espacial, não tão heroica assim": comentário de Janeth Simões, de São Paulo, que atua na área de tecnologia.

    ResponderExcluir
  7. "Lixo espacial mostra o que são os terráqueos hoje em dia, nossa espécie acabará por ser jogada para fora da Terra pelo seu poder de destruição": comentário de Julio Santos, de São Paulo, TI.

    ResponderExcluir
  8. "Grande figura esse Scott Tilley, ele tim tem tudo para ser herói não só duma nova ficção tipo filme do Spielberg mas pelo menos um soldado da cidadania espacial que ainda nem existe e este blog já está levantando muito bem essa bandeira": comentário de Elisa Marcondes, veio do Crato (Ceará) e mora em Vitória (Espírito Santo), trabalha com turismo.

    ResponderExcluir

Translation

translation