quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

O FUTURO DO CARROS JÁ CHEGOU NA FÓRMULA UM TAMBÉM COM A NOVA FÓRMULA E (AGORA FALTA ISSO NAS RUAS DE TODO PLANETA E ATÉ DO NOSSO PAÍS)




Bernie Ecclestone defende que deveria começar já uma nova F1 totalmente elétrica mas de toda forma a ascensão dos carros elétricos já é muito intensa na Europa
O futuro finalmente está chegando no automobilismo



Na Alemanha, há cada vez mais restrições ao uso do diesel e outros combustíveis fósseis e este fenômeno se manifesta também no automobilismo, lá e vários lugares da UE, bem como em outros lugares do mundo. Bernie Ecclestone acredita que a Liberty Media devia pensar numa mudança para monolugares elétricos. O objetivo é acompanhar o crescimento atual do mercado de carros elétricos e da Fórmula E, modalidade que atraiu, com sucesso, vários fabricantes, como a Renault, BMW, Audi ou Citroen, a Mercedes agora e a Porsche em breve. "Nós ainda possuímos o nome Fórmula 1, ainda temos contratos com com vários patrocinadores mas desde já a ideia é fazer diferentes tipos de carros, vamos falar com os fabricantes e começar uma nova F1 totalmente elétrica, uma Fórmula 1 para o futuro. Seria uma super Fórmula E, se assim quisermos chamar. Os carros podem ser como um carro da Fórmula Um e talvez a única coisa de que se sentiria falta seria do som, o ruído que os elétricos não têm mas acredito que se pudesse encontrar algo para fazer mais ou menos o antigo ruído da F1, quem sabe com música, uma trilha sonora”, disse Ecclestone ao jornal The Guardian. 

 
A Fórmula E já é um sucesso com suas máquinas 100% elétricas




​O repórter Marcos Gil, do site Esporte Interativo, nos informa que o mundo do automobilismo foi pego de surpresa com o anúncio da Mercedes Benz que estará abandonando o DTM ao final de 2018 para entrar na Fórmula E na temporada 2019/20. Essa será a primeira vez desde 1987 que a marca da estrela de três pontas não fará parte da principal competição de turismo da Alemanha. Apesar disso, a mudança de foco da montadora alemã para a categoria elétrica não chega a ser surpreendente, diante também das restrições já existentes a combustíveis fósseis neste país, bem como, do movimento para a criação dum futuro sustentável também em todos os tipos de carros e de transportes. A Alemanha pretende, em um futuro não muito distante, abolir os carros movidos por combustíveis fósseis, passando a utilizar apenas modelos elétricos. Com isso, faz todo sentido a mudança da Mercedes para a categoria de monopostos. O que pegou muitos de surpresa foi a montadora acabar com seu programa no DTM. Mas esse é o gancho perfeito para debatermos um assunto que, apesar de hoje não parecer tão claro para todos, em alguns anos será muito evidente: a mudança que a Fórmula E provocará no cenário do automobilismo mundial, principalmente na Fórmula 1. Ou por outro ângulo para se ver esta situação, a necessidade de se mudar para uma economia mais ecológica em todos os setores da vida na atualidade, o chamado desenvolvimento sustentável. 


Até o patriarca da F1 Bernie Ecclestone defende hoje os carros elétricos




Idealizada pelo presidente da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), Jean Todt, a Fórmula E é a única grande categoria hoje de automobilismo do mundo de carros elétricos. O campeonato foi inspirado na filosofia da sustentabilidade, tão em pauta no mundo atualmente, e foi abraçado por Alejandro Agag, CEO e grande responsável pelo seu sucesso, especialmente, junto à juventude mais ligada naturalmente ao futuro desde já.


A Fórmula E já faz sucesso com os jovens e os carros elétricos



(Confira na seção de comentários deste nosso blog de ecologia mais informações e também mensagens e opiniões nesta pauta de hoje que é também de esporte e de sustetabilidade)


Dentro da Fórmula 1 hoje vários carros já são híbridos ou semielétricos


Fontes: The Guardian - F1mania - Esporte Interativo - AutoSport
             folhaverdenews.blogspot.com

10 comentários:

  1. "Em sua primeira temporada, a nova categoria teve mais de 190 milhões de espectadores, em mais de 100 países pelo mundo. Além da sustentabilidade, a Fórmula E investiu bastante em inovações, como o FanBoost – votação em que os torcedores escolhem seu piloto favorito e liberam uma carga extra de potência durante a corrida – e, recentemente, promoveram a primeira competição de eRacing chancelada por uma grande categoria": comentário de Jorge Santos, brasileiro que mora e estuda em Berlim, sobre a Fórmula E, somente com carros elétricos e "outras inovações interessantes", como ele nos diz, enviando fotos.

    ResponderExcluir
  2. "Em seus três anos, a Fórmula E já visitou países como Estados Unidos, Alemanha, Inglaterra, Argentina, Uruguai, Rússia, França, México, Marrocos e na próxima temporada correrá pela primeira vez no Brasil. Tendo passado por praticamente todos os continentes do mundo, além de contar com equipes e pilotos de várias nacionalidades, a Fórmula E já pode ser considerada uma categoria global e que sinaliza como serão os carros amanhã": comentário extraído de notícias do site AutoSport.


    ResponderExcluir
  3. "A visão inovadora da Fórmula E se baseia na filosofia sustentável, vem atraindo diversas montadoras do mundo desde sua primeira temporada, como na pioneira Renault": comentário no site Esporte Interativo.

    ResponderExcluir
  4. "Os carros novos a diesel poderão praticamente desaparecer do mercado já em 2025. Sua participação no mercado mundial deverá ser de apenas 4% em 2025, contra 13,5% atualmente. Na Europa, a queda deverá ser bem mais brutal: a fatia de mercado dos carros a diesel, de 50% hoje, será de apenas 10% em 2025": comentário que está no relatório do banco suíço UBS.

    ResponderExcluir
  5. "Vários fatores explicam a derrocada dos automóveis a diesel. Além do "dieselgate" - que abalou a confiança dos consumidores - regulamentações cada vez mais rigorosas em termos de emissões de poluentes tendem a encarecer os modelos e torná-los menos atraentes na Alemanha.
    Alguns carros populares já nem são mais fabricados na versão com motor a diesel. A montadora sueca Volvo anunciou que fabricará, a partir de 2019, apenas carros elétricos ou híbridos (o motor a combustão que complementa e eventualmente alimenta o elétrico é geralmente a gasolina)": comentário em noticiário de hoje na BBC News.


    ResponderExcluir
  6. "Governos de países europeus e asiáticos pretender proibir a venda de carros movidos com combustíveis fósseis. Os carros a gasolina e diesel estão com os dias contados em vários países europeus e alguns grandes emergentes. Governos anunciaram planos de proibir a venda de automóveis movidos a combustíveis fósseis nos próximos anos como parte de esforços para conter a poluição. A Índia fixou o objetivo de pôr fim à comercialização de veículos com motores a combustão em 2030 e prevê comercializar carros elétricos em grande escala": comentário de Daniela Fernandes De Paris para a BBC Brasil.

    ResponderExcluir
  7. "A China, maior mercado automotivo mundial, causou surpresa recentemente ao anunciar que se prepara para proibir a venda de carros movidos a combustíveis fósseis. O calendário ainda será definido. O país vem ampliando sua frota de carros elétricos e já se tornou, no ano passado, o maior mercado mundial desse setor, ultrapassando os Estados Unidos": comentário em noticiário no site F1 Mania.



    ResponderExcluir
  8. Você pode por aqui a sua informação ou opinião, se preferir ou precisar, mande a sua mensagem para o e-mail da redação do nosso blog que aí postamos para você: navepad@nersite.com.br

    ResponderExcluir
  9. Você também tem a alternativa de de enviar material de informação, como vídeos ou fotos, diretamente pro e-mail do nosso editor de conteúdo neste blog e então mande para padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  10. "O governo brasileiro, pelo que sabemos,, está elaborando o Rota 2030, nova política industrial para o setor automotivo. Mas não deve haver, pelo menos na primeira fase, regras para estimular o desenvolvimento de carros elétricos e nem ao menos híbridos (com motor elétrico e outro a combustão) no país, infelizmente, atrasando o processo de criação do futuro sustentável por aqui": comentário de Izabel Marcondes, de Fortaleza, ceara, que atua com vendas de carros em São Paulo há 20 anos.

    ResponderExcluir

Translation

translation