quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

UMA DERROTA RARA DO GARIMPO COM VITÓRIA AMBIENTAL NO BRASIL: FOI NO SUL MAS AÇÃO DO IBAMA REPERCUTE MAIS NO NORTE DO PAÍS



O Ibama acaba de apreender 430 kg de mercúrio e suspende importadora em Santa Catarina: este produto tóxico abasteceria garimpos ilegais na Amazônia causando poluição nos rios e doenças na população 

Ação do Ibama em Joinville no sul do país...




...terá repercussão no norte (regiãogarimpeira)

Agentes do Ibama apreenderam 430 quilos de mercúrio e suspenderam as atividades de uma empresa do setor químico em Joinville (SC) responsável pela importação irregular do produto. Investigação foi realizada em três estados e aponta que o mercúrio abasteceria garimpos ilegais na Amazônia. Os responsáveis foram autuados em R$ 1,5 milhão pela venda ilegal e por prestar informações falsas. Maior importadora de mercúrio do país, a empresa comercializou 6,8 toneladas da substância nos últimos três anos (toda esta substância hoje está poluindo nossos rios ao norte do país). Os agentes ambientais constataram que a importadora simulava a venda e o transporte de mercúrio para uma empresa de fachada em Várzea Grande (MT). No endereço do suposto comprador, informado ao Ibama no Cadastro Técnico Federal (CTF), funciona uma inocente mercearia.


Mercúrio usado na lavagem do ouro nos garimpos...

..contamina águas, peixes, solo e adoece as pessoas


O uso de mercúrio é nocivo à saúde e causa graves problemas ambientais. A sua longa persistência no meio ambiente, associada à tendência de bioacumulação e à propagação atmosférica de longa distância, causa preocupação à comunidade internacional. O Brasil é um dos signatários da Convenção de Minamata, da Organização das Nações Unidas (ONU), que restringe o uso do mercúrio com o objetivo de proteger a saúde humana e o meio ambiente. Mas as autoridades governamentais e policiais quase sempre fazem vistas grossas para este problema. Sem o controle adequado, o metal pesado e muito tóxico é negociado clandestinamente para a exploração ilegal de ouro. No garimpo, o mercúrio usado para separar o ouro de outros minerais é carreado para corpos hídricos, o que resulta na contaminação de toda a cadeia alimentar. “O comércio clandestino de mercúrio fomenta o garimpo ilegal, que resulta na destruição da Amazônia e do modo de vida dos povos da floresta”, comentou o coordenador geral de Fiscalização Ambiental, Renê Luiz de Oliveira. Agora, os relatórios da operação  do Ibama já foram encaminhados ao Ministério Público Federal (MPF) e à Polícia Federal (PF) para apuração no âmbito criminal.


(Mais informações sobre o garimpo ilegal, o uso do mercúrio e outros temas relacionados estão na seção de comentários aqui deste blog da ecologia, você também pode postar a sua mensagem)


Assim como o Brasil, América do Sul e África são os maiores focos...

...desta atividade criminosa segundo levantou a ONU


Essa prática de exploração dos recursos minerais existe desde o século 18 no país e, apesar da massiva ilegalidade e também dos grandes impactos ambientais e à saúde da população, também dos garimpeiros, continua em atividade e representa quase 4% do PIB nacional, cerca de pelo menos R$ 70 milhões por ano, fora garimpos tão clandestinos que ainda não foram descobertos e estão atividade principalmente na Amazônia e no Cerrado.


Fontes: Ibama – EcoDebate - Pensamento Verde
              folhaverdenews.blogspot.com


9 comentários:

  1. Esta matéria e esten tipo de ação do Ibama ganham maior importância por causa da realidade que a Amazônia continua vivendo hoje, um dos maiores retrocessos ambientais da história. Interesses privados e políticos estão destruindo a maior floresta tropical do planeta, reduzindo nossas áreas protegidas para dar espaço à expansão da agricultura, pecuária, hidrelétricas, mineração, entre várias outras ameaças, entre elas, o garimpo de ouro, que usa o mercúrio, metal pesado e da mais alta toxicidade. Um dossiê publicado pelo WWF-Brasil apontou que cerca de 10% do território das unidades de conservação do Brasil corre o risco de ser extinto, por pressão desses setores, com apoio explícito do Congresso Nacional numa época de lobby ruralista e desenvolvimentismo, a custo da nossa última ecologia. Pode ser o fim de grande parte de nossas florestas, de sua biodiversidade e dos serviços ambientais de que tanto dependemos. A perda da cobertura florestal permanece em níveis alarmantes. Assim, as chuvas serão reduzidas, as secas serão intensificadas, a biodiversidade será prejudicada e mudanças climáticas devem ocorrer. Precisamos fazer algo. O movimento Somos Amazônia é uma plataforma para nos conectarmos e dizer NÃO ao atual modo predatório imposto contra o maior bioma do Brasil. Queremos a sua ajuda para construirmos a Amazônia que queremos. A Amazônia é de todos nós e precisamos lutar por ela. #SomosAmazônia, participe da campanha liderada pelo WWF Brasil.

    ResponderExcluir
  2. Assim, diante deste movimento Somos Amazônia você pode dimensionar tanto o drama atual de nossa natureza neste bioma, como também o valor desta ação do Ibama, que registramos hoje aqui em nosso blog da ecologia e da cidadania.

    ResponderExcluir
  3. Você pode colocar aqui a sua informação, mensagem, comentário, opinião ou então se preferir envie um e-mail para a redação do nosso blog que aí postamos sua participação: navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  4. Vídeos, fotos, sugestão de matérias, você pode também encaminhar diretamente pro e-mail do nosso editor de conteúdo deste blog, envie então para padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. "Se houve uma apreensão tão grande, isso é sinal que a atividade garimpeira continua no Brasil, realmente é raro uma operação como esta acontecer": comentário de Jurandir Corrêa, de Formiga (MG), que nos envia material sobre garimpos de diamante em Minas Gerais. A gente agradece e vamos divulgar.

    ResponderExcluir
  6. No site Pensamento Verde há várias matérias dedicadas a denúncias e debates sobre o garimpo e também ao lobby da mineração no Congresso Nacional. Você pode e deve consultar este material. A seguir um resumo de algumas das informações.

    ResponderExcluir
  7. "Segundo a Constituição de 1988, a mineração em terras indígenas só poderá ocorrer se for regulamentada por lei específica, o que jamais ocorreu. Mesmo assim, vários desses territórios convivem há décadas com o garimpo ilegal, atividade associada a conflitos, à poluição dos rios e à disseminação de doenças": site Pensamento Verde.




    ResponderExcluir
  8. "Está cada vez mais intensificado o lobby em Brasília para permitir a mineração em terras indígenas. O movimento é criticado por organizações que representam povos da região e a ecologia, temendo pelos impactos da atividade.
    A BBC Brasil por exemplo acompanhou uma reunião na sede da Funai (Fundação Nacional do Índio) entre o presidente deste órgão governamental e uma delegação com 11 membros do Parlamento Amazônico, entidade que agrupa legisladores dos nove Estados da Amazônia Legal. Marcado para tratar de questões ligadas a indígenas na Amazônia, o evento não contou com a presença de nenhum indígena e teve como principal tema a defesa da mineração nos territórios desses povos": comentário também de matéria no site Pensamento Verde.

    ResponderExcluir
  9. "Sim e este encontro aí ocorreu um dia após o presidente Michel Temer extinguir por decreto a Reserva Nacional do Cobre e Associados (Renca), na divisa entre o Pará e o Amapá - decisão que abriu o caminho para o avanço da mineração numa área de mata fechada e vizinha a duas terras indígenas.
    Após reações negativas, Temer publicou um novo decreto. O documento manteve a extinção da Renca, mas deixou mais clara a proibição da mineração nas terras indígenas e unidades de conservação que se sobrepõem à reserva, exceto se a atividade estiver prevista no plano de manejo da unidade": comentário de Adalberto Pereira, do Rio de Janeiro, engenheiro que tem pesquisado em detalhes ocorrências ligadas a garimpo e a mineração no Brasil, como advogado e ambientalista.

    ResponderExcluir

Translation

translation