quinta-feira, 1 de março de 2018

POLUIÇÃO DO AR LIBERADA NO BRASIL ENQUANTO ALEMANHA E EUROPA CHINA E A ÁSIA LUTAM MAIS POR CARROS ELÉTRICOS E DESPOLUIÇÃO



Por aqui muitas críticas ao Conama que nem estipulou prazo para despoluição de ar no Brasil e esta situação terrível para o meio ambiente e a saúde pública deverá ser debatida pela área de assuntos jurídicos da Câmara Federal em Brasília



70% da poluição do ar tem como causa combustíveis fósseis


A ausência até de prazos para a despoluição se deve à pressão dos governos federal, estaduais, também, municipais e especialmente à pressão de setores econômicos, que, segundo Carlos Bocuhy, presidente do Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental (Proam), têm 80% dos votos na Câmara. Os 20% restantes têm como representantes ambientalistas e a sociedade civil. “O Conama está na prática deixando de defender o meio ambiente e a saúde da população urbana. Quem pagará esta conta, com suas próprias vidas, são os mais vulneráveis financeiramente e aí principalmente, crianças e idosos”, informa Bocuhy. O Ministério Público Federal aponta ilegalidades na decisão do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama) de não adotar prazos para a urgente despoluição do ar no Brasil. O MPF enviou nesta semana ofício ao ao Governo Federal , através do Ministério do Meio Ambiente, que  responde pelo Conama, sobre estes erros ou possíveis desvios de conduta apresentadospor esta situação que vai na contramão do que têm feito vários países lutando para despoluir e contrariando assim o interesse do lobby do petróleo (combustíveis fósseis) que porém têm plena liberdade em nosso país para poluir e adoecer as cidades e as pessoas como efeito desta falta de gestão governamental e ambiental. 

20%  apenas do Conama representam ambiente, 80% lobby do petróleo


Os promotores do Ministério Público Federal deixam claro que não há justificativas técnicas e científicas para a proposta dos representantes governamentais do Conama, liderados pelo representante do estado do Rio de Janeiro: "A proposta chapa-branca foi aprovada e permite a moratória para a poluição no Brasil. Uma norma sem prazos já nasce natimorta”, afirma ainda Carlos Bocuhy, ele que preside o Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental (Proam),fala tendo todos os argumentos da realidade hoje, mesmo porque ele é também conselheiro do Conama e que tem participado ativamente das discussões, sendo um dos poucos conselheiros que defendem os interesses socioambientais. 

França, Alemanha, Índia e até a China priorizam hoje carros que não poluem


Um estudo feito por especialistas da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo mostra que a ausência de atualização tecnológica dos motores a diesel e a falta de filtros adequados nos escapamentos dos veículos causam a morte de quatro mil a cinco mil paulistanos por ano, além de 17 mil e isso apenas no estado paulista, muitas vítimas mais pelo país. Um pormenor da maior importância é que a maioria das vítimas são crianças e idosos.

 Por ano cerca de 5 mil morrem só em São Paulo por causa da poluição do ar


(Confira a seguir mais informações e opiniões na seção de comentários aqui no blog da gente que ontem fez matéria sobre a prioridade que vários países dão à despoulição hoje em dia, por exemplo, com prazos determinados para fim de combustíveis poluentes e aumento do uso de carros elétricos)


 Por favor, por amor, oxigênio, despoluição, saúde


Fontes: Estadão - Exame (Abril)
             folhaverdenews.blogspot.com

7 comentários:

  1. "Os gastos do Estado de São Paulo por problemas de saúde decorrentes da poluição chegam a R$ 300 milhões por ano. O nível de poluição de ar na cidade de São Paulo, conforme estudos recentes, é o dobro do que recomenda a OMS": comentário em matéria do Jornal da USP.

    ResponderExcluir
  2. “O direito ao meio ambiente saudável é indissociável do direito à saúde e à vida, pois se não houver concretas melhorias da qualidade do ar em nosso território, como defendem as propostas do MPF e Proam, continuará a ocorrer um elevado número de mortes, além de agressões à qualidade ambiental”: comentário extraído do ofício dos procuradores regionais da República Fátima Aparecida de Souza Borghi e José Leonidas Bellem de Lima sobre últimas decisões do Conama.

    ResponderExcluir
  3. Você pode pode por aqui seu comentário ou se preferir envie uma mensagem pro e-mail da redação deste nosso blog do movimento ecológico, científico e de cidadania navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  4. Vídeos, fotos, material de informação você também pode enviar diretamente pro e-mail do nosso editor de conteúdo deste blog padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. "Os ambientalistas defendem a adoção de metas progressivas para despoluição até 2030, mas os governos e setores empresariais criaram um mecanismo protelatório de reavaliar metas a cada cinco anos (por sua própria maioria governamental no Conama), impedindo uma política eficaz de médio prazo": comentário que está em matéria do Estadão sobre recentes decisões do Conama sobre despoluição no Brasil.


    ResponderExcluir
  6. "Os padrões de qualidade do ar (PQAr) segundo publicação da Organização Mundial da Saúde (OMS) variam de acordo com a abordagem adotada para balancear riscos à saúde, viabilidade técnica, considerações econômicas e vários outros fatores políticos e sociais, que por sua vez dependem, entre outras coisas, do nível de desenvolvimento e da capacidade nacional de gerenciar a qualidade do ar. As diretrizes recomendadas pela OMS levam em conta esta heterogeneidade e, em particular, reconhecem que, ao formularem políticas de qualidade do ar, os governos devem considerar cuidadosamente suas circunstâncias locais antes de adotarem os valores propostos como padrões nacionais": texto no site da ONU que nos foi enviada por Carmem Gonçalves, do Rio de Janeiro, profissional de enfermagem.

    ResponderExcluir
  7. "O que eu ei pela minha experiência de cidadão que sofre diariamente a poluição do ar é que a declaração dos estados de Atenção, Alerta e Emergência requer, além dos níveis de concentração atingidos, a previsão de condições meteorológicas desfavoráveis à dispersão dos poluentes. Isso também abre brecha, é preciso mais radicalidade da lei e das resoluções para garantir a despoluição do ar, que é urgente e precisa de prazos definidos desde já": comentário de Jair Fernandes, lojista em São Paulo (SP).

    ResponderExcluir

Translation

translation