quinta-feira, 6 de setembro de 2018

60% DO TERRITÓRIO BRASILEIRO AGORA ESTÁ SENDO DESTRUÍDO POR FALTA DE UMA GESTÃO AMBIENTAL QUE ESTÁ DEIXANDO O BRASIL SEM FUTURO


Um dos maiores dramas é o desmatamento que voltou a crescer na Amazônia e no Cerrado já atingindo um ponto crítico: sem gestão ambiental pelos governos e com um uso não sustentável vamos perder este tesouro da nossa natureza e do povo do Brasil




Por aqui o país pode ter um futuro sustentável


Recebemos por email (enviado ao blog da gente pelo Jonas Moreira, ecologista e produtor cultural em Manaus) um texto do engenheiro eletrônico João Paulo Ferreira, que por sinal é presidente da Natura. A mensagem foi postada também no principal site da Espanha, El Pais, que é um dos mais acessados no Brasil por jornalistas e lideranças do movimento ecológico, científico e de cidadania. Este empresário escreve o texto com base na sua vivência de sustentabilidade, ele é bem atuante naquela região: a seguir um resumo de alguns pontos mais expressivos das informações com um conteúdo em defesa do futuro da Amazônia. "Agora, quando estamos às vésperas duma eleição para Presidente do Brasil, a ecologia precisa ser pensada num mesmo plano de importância do que a economia", destaca o editor aqui do blog Folha Verde News, Antônio de Pádua Silva Padinha ao nos encaminhar este post. Confira a seguir, OK?


 Açaí, andiroba, babaçu...

...piaçava, cacau, sementes, castanhas...

...carnaúba, juçara, macaúba...


...borracha, mangaba, pequi...


...a Amazônia, centenas de produtos naturais


"A data passou em branco na verde Manaus, oficialmente o dia da Amazônia faz referência a 5 de setembro de 1850, quando Dom Pedro II decretou a criação da antiga Província amazônica. Mais do que celebrar esse conjunto inestimável de riquezas naturais e culturais, que representam 60% do território brasileiro, é preciso fazer um alerta contra as ameaças à maior biodiversidade de todo o planeta. Mas o fato é que o desmatamento em toda Amazônia está prestes a atingir um ponto a partir do qual regiões da floresta tropical podem passar por mudanças devastadoras irreversíveis, como já advertiram no início deste ano os pesquisadores Carlos Nobre (uma das maiores autoridades mundiais em mudanças climáticas, do INPE) e Thomas Lovejoy (da George Mason University). No último domingo parte imensurável de história do país foi destruída pelo incêndio que consumiu o Museu Nacional, uma outra tragédia reduzindo a cinzas registros magníficos da presença de povos originários desta maravilhosa região. Essa situação é também o resultado de anos de negligência de um Estado e de uma sociedade brasileira que não valorizam seu patrimônio histórico, natural, científico e cultural".


João Paulo Pereira já é parceiro de algumas comunidades locais


Segue o texto de João Paulo Pereira: "A floresta amazônica reúne mais de 14 mil espécies de plantas e cerca de 20% da fauna de todo o mundo. O Brasil, por sua vez, abriga a maior quantidade de seres vivos catalogados pela ciência, com potencial imenso para a inovação verde, da produção de medicamentos a cosméticos. Trata-se do maior capital natural de que se tem conhecimento. Somente com o uso sustentável desse patrimônio podemos persistir como civilização. É possível gerar valor e criar emprego sem destruição, há um modelo de desenvolvimento que valoriza a floresta em pé e a sustentabilidade de suas comunidades, com a prática de negócios socialmente justos, ambientalmente corretos e economicamente viáveis. Para isso, é preciso compartilhar a riqueza produzida na região com quem vive da floresta, por meio da repartição dos benefícios aqui gerados". 


Água, fauna, flora, aqui, recursos para criar um futuro sustentável


Aqui ele cita o seu know how em desenvolvimento sustentável: "Com um trabalho iniciado há quase duas décadas, a Natura usa 70 cadeias de ingredientes da biodiversidade, com 20 ativos de origem sustentável e certificada pela UEBT (União para o BioComércio Ético), provenientes de 34 comunidades e que geram desenvolvimento e renda para mais de 4 mil famílias somente na Amazônia. Entre esses ingredientes está a ucuuba, fruto de uma espécie que estava ameaçada de extinção pela exploração madeireira predatória para confecção de estacas e cabos de vassoura. Anos de pesquisa científica comprovaram o benefício altamente hidratante da semente, dando novo valor à ucuubeira. Hoje, as comunidades recebem a cada colheita de uma única árvore cerca de três vezes o valor equivalente ao seu tronco. É uma conta que faz sentido para todos. Aprender a lidar com a biodiversidade será o principal diferencial competitivo do Brasil, se soubermos ouvir as vozes da floresta". 


O povo da Amazônia pode ser um polo de desenvolvimento sustentável a partir dos produtos da floresta


Fontes: brasil.elpais.com
             folhaverdenews.blogspot.com

7 comentários:

  1. Logo mais, aqui nesta seção, comentários e mais informações, aguarde a nossa edição e venha conferir: você pode por aqui sua opinião ou se quiser mande a sua mensagem pro e-mail da redação do blog navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  2. Vídeos, fotos, material de informação, sugestões de pauta, você pode enviar diretamente pro e-mail do nosso editor de conteúdo padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  3. "A parceria entre as comunidades da floresta e empresários que respeitam seus direitos e a ecologia, isso pode sim gerar um polo de desenvolvimento sustentável sem igual no mundo nessa região que está sendo jogada no lixo": comentário de Jonas Moreira Vaz, ecologista e produtor cultural em Manaus, Amazonas, que nos enviou por e-mail o texto de João Paulo Ferreira, engenheiro eletrônico e presidente da Natura. A gente agradece o envio e estamos divulgando para debater o potencial deste possível polo sustentável.

    ResponderExcluir
  4. "Muito bom que empresários se associem com comunidades da floresta e valorizem o uso de produtos tradicionais da Amazônia que poucos até no Brasil conhecem e que a ciência provou serem de alta qualidade": comentário de Hermano Fernandes, advogado, do Rio de Janeiro.

    ResponderExcluir
  5. "Produtos da floresta, energias limpas como a eólica e a solar, agricultura orgânica, apicultura, fruticultura, são várias as vertentes que podem aliar atividades econômicas com a ecologia da Amazônia, muito melhor que desmatamento para monocultura da soja e transformar floresta em pasto para exportar carne": comentário também de Hermano Fernandes, que fez sua TCC de formatura sobre Direito Ambiental: "O meio ambiente é hoje um setor fundamental, ainda mais no Brasil com tantos recursos naturais sendo agredidos".

    ResponderExcluir
  6. "Estou vendo essa matéria hoje, 7 de Setembro e acho que a ecologia pode vir a ser uma verdadeira independência do Brasil se houver uma gestão sustentável": comentário de Júlia Mattos, de Belo Horizonte (MG), bióloga formada pela PUC de Minas.

    ResponderExcluir
  7. "AÇAÍ, ANDIROBA, BABAÇU, CACAU, CARNAUBA, JUÇARA MANGAbA, PIQUI, CASTANHAS, SEMENTES E ERVAS MEDICINAIS ANTECIPANDO A ECONOMIA ECOLÓGICA NA AMAZÔNIA E NO CERRADO - A ecologia através duma gestão sustentável poderá vir a ser uma verdadeira Independência do Brasil, produtos naturais, energias limpas, ecoturismo, alimentos orgânicos, já poderiam hoje estar reduzindo a crise do país, avançando também a economia: comentário que está em uma chamada desta matéria no Facebook.

    ResponderExcluir

Translation

translation