domingo, 21 de outubro de 2018

NO CENTRO ESPACIAL DE ANDOYA NOVO SATÉLITE EUROPEU MEDIRÁ O VENTO PARA MELHORAR A METEOROLOGIA VITAL HOJE EM DIA COM MUDANÇAS DO CLIMA E DO MEIO AMBIENTE

Pela primeira vez o novo satélite Aeolus da Agência Espacial Europeia vai medir o vento a partir do espaço sendo que isso irá melhorar a eficiência das previsões meteorológicas



A equipe de cientistas que comanda na Noruega a...



... operação Aeolus pro avanço da própria cultura planetária


Estamos dando esta notícia em primeira mão por aqui em nosso país (onde a meteorologia é cada vez mais importante também) após captar a informação na Euronews que fez matéria nesse sentido na ESA (The European Space Agency):  no norte da Noruega, no centro espacial de Andøya, os cientistas estão calibrando e validando as medidas e os dados enviados pelo satélite que já se encontra em órbita no espaço em torno da Terra e a uma altitude de 320 quilômetros. Desde o final de agosto, há dois meses, o projeto vem sendo bem sucedido e agora a perspectiva dum avanço na qualidade das previsões da meteorologia são muito reais. 



 Até agora está dando tudo certo nessa missão científica


"O satélite Aeolus está a dar a volta a terra neste preciso momento. Move-se do polo norte para o polo sul e inversamente, realizando a chamada órbita polar. À medida que dá a volta na Terra, a Terra gira e o satélite capta os dados do tempo, realizando medidas contornando 16 vezes por dia todo o globo terrestre", explicou Anne Grete Straume, uma das cientistas da Agência Espacial Europeia responsáveis pelo projeto, ao ser entrevista pela repórter Chris Clarkson, da agência de notícias e site Euronews.



Aeolus vai estudar os ventos para aperfeiçoar previsões








Aeolus satellite at 5PM ET


Graças a um sistema laser, o satélite mede a direção e a velocidade do vento, algo que nunca tinha sido feito antes. Os dados colhidos pelo satélite na sua trajetória em órbita terrestre sobre os oceanos e sobre os continentes são aí 
então analisados pela equipe técnica do centro espacial que se localiza na Noruega, o Andøya: "O nosso observatório situa-se a 69 graus a norte. É o único observatório capaz de fazer medidas em conjunto com o satélite Aeolus. É a única estação que mede com a ajuda do sistema laser, capaz de lidar com  a velocidade e a direção do vento, nesta latitude, no hemisfério norte", disse Michael Gausa, diretor científico do Centro Espacial. Os dois telescópios do Instituto da Física Atmosférica de Liebniz funcionam de forma similar ao satélite Aeolus, o que serve de referência para todos os cientistas envolvidos neste trabalho, oficial e prioritário da Agência Espacial Europeia.


(Confira na seção de comentários aqui no blog de ecologia e de cidadania da gente mais algumas considerações, também depois, mensagens e opiniões, OK?)


Há vários satélites que observam a temperatura e a umidade, que são usados desde há várias décadas. Mas não existe um sistema global para medir o vento no planeta. De acordo com o Centro de Previsões Meteorológicas a Médio Prazo (CEPMMP) lá na Europa, o vento é a peça do puzzle que falta para poder melhorar as previsões meteorológicas na atualidade, um detalhe que é da maior importância cada vez mais por exemplo para prevenir desastre ambiental ou ter um controle maior sobre os fatos do clima e até do ambiente na visão do renomado pesquisador Lars Isaksen"Hoje em dia, alguns dos maiores erros de previsão do tempo, tirando por base o que ocorreu nos últimos 5 anos, estão associados à uma grave falta da parte dos meteorologistas sobre o desconhecimento dos ventos nos trópicos, é que não existe ainda informação sobre o vento nos oceanos, sobre o vento no sul do Pacífico. Nem sequer sabemos quase nada ainda também sobre o comportamento dos ventos no Oceano Atlântico", comentou Lars Isaksen, um cientista que é um dos comandantes do CEPMMP.  Os dados recolhidos pelo satélite deverão ser analisados detidamente e se necessário, serão corrigidos ali nessa central, para só posteriormente serem enviados online e com a rapidez da web a vários institutos de meteorologia de vários países, desta forma, com mais chance de acerto e velocidade na previsão. 

Com transparência e espírito crítico este cientista argumentou também que não é certeza absoluta de sucesso nestas medições e em toda a operação que se trata duma iniciativa diferente, inovadora. Lars Isaksen "torce" para tudo dar certo, o que será um grande avanço no trabalho meteorológico.

Há muita expectativa sobre este possível avanço


"Com as atuais mudanças climáticas, vemos agora que está crescendo cada vez mais a diferença de temperatura entre o equador e os polos, ela está diminuindo, na realidade, algo que por si só neste instante do clima e do ambiente altera a forma como o vento se move na atmosfera e transporta a energia. Ao percebermos este fenômeno de forma mais detalhada então iremos obter novos detalhes sobre as mudanças meteorológicas do clima futuro e assim poderemos ter um domínio mais amplo de informações", acrescentou a investigadora da Agência Espacial Europeia, Anne Grete Straume: cientistas de todos os países estão na melhor expectativa sobre os resultados que virão desta missão pioneira na cultura espacial do ser humano agora.


Missão pioneira na Terra e na Noruega



Fontes: Euronews - ESA - The European Space Agency
              folhaverdenews.blogspot.com

8 comentários:

  1. "É muito importante perceber e poder verificar que as medidas do satélite estão corretas em função dos diferentes estados do tempo, quer seja no caso de tempestades ou em caso de tempo ameno. É preciso ter um ponto de comparação com as medidas realizadas pelos bons instrumentos que estão na Terra. Por isso é importante medir não apenas uma vez mas realizar várias medidas ao longo do tempo": comentário de Anne Grete Straume, uma das cientistas desta missão que avança na Noruega.

    ResponderExcluir
  2. "Para verificar a exatidão das medidas realizadas pelo satélite os cientistas usam também os dados dos balões meteorológicos. Os balões são lançados duas vezes por dia e recolhem informação sobre a velocidade do vento, a temperatura e a umidade relativa do ar": comentário de José Pedro, estudante da Meteorologia na Unesp de Bauru (SP), onde teve a oportunidade de conhecer detalhes deste projeto que estamos enfocando hoje no nosso blog da ecologia.

    ResponderExcluir
  3. "Com os balões obtemos medidas locais do vento, o que é importante para calibrar e validar as medidas recolhidas pelo satélite. Sabemos que estamos a medir aproximadamente a mesma área. É claro que o balão desloca-se com o vento mas temos a mesma cobertura em geral e podemos comparar as medidas do satélite e do balão": comentário de Ingrid Hanssen, que é engenheira nesta missão do Centro Espacial de Andøya.


    ResponderExcluir
  4. "O satélite Aeolus pode medir a direção e a velocidade do vento na superfície da Terra a 30 quilômetros de altitude e até agora, o laser está funcionando como previsto, a nossa esperança é ajudar a meteorologia terrestre": comentário do cientista Lars Isaksen, um dos comandantes desta missão.

    ResponderExcluir
  5. "Poucas semanas após o lançamento, começamos a verificar o satélite e o sistema laser. Ligamos o sistema e já iniciamos a recolher os dados para ter uma ideia dos dados que vamos obter no final. Desde já posso dizer que tudo é fantástico" , comentário daastrofísica Anne Grete Straume.

    ResponderExcluir
  6. Depois, aqui nesta seção, mais informações sobre o momento da meteorologia e sobre este projeto da ESA, você pode colocar aqui a sua opinião ou se precisar e preferir, mande a sua mensagem pro e-mail do blog que aí a gente posta o conteúdo para você, envie para navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  7. Vídeos, fotos, material de informação, sugestão de pauta ou críticas, noticiário, envie diretamente pro e-mail do nosso editor de conteúdo padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  8. "Realmente, o momento do clima e do meio ambiente por aqui e por todo o planeta exige investimentos de recursos financeiros e de tecnologia, pena que no Brasil parece existir algumas outras prioridades": comentário de Luiza Salles, de São Paulo, TI.

    ResponderExcluir

Translation

translation