quarta-feira, 21 de novembro de 2018

A POLUIÇÃO É UMA DAS PRINCIPAIS CAUSAS DE EVENTOS EXTREMOS DO CLIMA QUE TENDEM A AUMENTAR ALERTA GEÓGRAFO QUE FEZ ESTUDO DESTE PROBLEMA NA AMÉRICA DO NORTE

Também no Brasil há o temor que aconteçam eventos climáticos extremos como chuvas prolongadas ou enchentes e quase ao mesmo tempo secas ou simultaneamente calor e frio provocando também problemas de saúde: urgente se recuperar a ecologia cada vez mais perdida no tempo, no país e no planeta


 Na Califórnia agora depois dos incêndios temporais e furacões sinalizam o alcance dos alertas de cientistas

Várias pesquisas analisam o desequilíbrio do clima e do ambiente que podem gerar até um caos nos próximos anos 




Agora na Califórnia depois de grandes incêndios chegam temporais e nevascas, podendo haver também furacões, este cenário está fazendo cientistas e a mídia revisitarem um estudo que tem a ver com as mudanças climáticas e que já previa estas variações muito intensas e quase simultâneas de eventos extremos, sendo uma das causas, a poluição causada por fonte como combustíveis fósseis: a pesquisa do geógrafo Camilo Mora está  sobre a evolução da temperatura futura no cenário de maiores emissões de CO2. A Terra pode experimentar um clima radicalmente diferente no prazo de 34 anos, mudando para sempre a vida como conhecemos e os trópicos devem ser afetados primeiro e de forma mais intensa, é a conclusão da pesquisa The projected timing of climate departure from recent variability que reforça os riscos do aquecimento global (Isso nos Estados Unidos, onde o presidenete Donald Trump ainda não admite que as mudanças do clima e do ambiente possam levar ao caos...). Com as tendências atuais de emissões de gases de efeito estufa, 2047 será o ano em que o clima na maior parte das regiões da Terra poderá mudar para além dos extremos documentados,sendo que este prazo se estenderá a 2069 em um cenário em que as emissões derivadas da queima de combustíveis fósseis se estabilizarão, destacou uma análise destas projeções climáticas publicadas também na revista científica Nature. 



 No Brasil chuvas prolongadas até com enchentes...

 ...podem ocorrer ao mesmo tempo que secas




No vídeo que a gente vai postar hoje aqui no Folha Verde News, pesquisas de meteorologistas e da Fapesp já vem alertando que, no Brasil também, em especial em metrópoles como São Paulo, a poluição e todos os desequilíbrios do clima e do ambiente devem provocar cada vez mais situações extremas, como chuvas intensas, enchentes e ao mesmo tempo, secas ou calor e frio num mesmo dia e outras anomalias do tempo. As energias limpas, a substituição dos combustíveis poluentes, uma nova estrutura energética e econômica com a implantação de um desenvolvimento sustentável são o caminho para haver um reequilíbrio da ecologia perdida. Enquanto isso, há o risco de caos climático e ambiental nos próximos anos e décadas, algo que terá um alcance negativo também na saúde pública.


A tecnologia ajuda mas os políticos atrapalham



Recentemente o site nacional de assuntos socioambientais EcoDebate também havia publicado um outro estudo que é a mais recente aplicação de uma estrutura de eventos extremos que a cientista Noah Diffenbaugh, ela que é especializada em energia e meio ambiente. juntamente outros pesquisadores do Stanford Woods Institute for the Environment Stanford vem desenvolvendo há anos. Eles aplicaram esse quadro a eventos individuais, como a seca da Califórnia e as inundações catastróficas no norte da Índia. Eles descobriram que o aquecimento global, em razão das emissões humanas de gases de efeito estufa, aumentou as chances dos eventos climáticos mais comuns em mais de 80% do planeta, para o qual as observações confiáveis estavam disponíveis, além de aumentar a probabilidade de chuvas e secas extremas. A estrutura se baseia numa combinação de observações climáticas históricas e modelos climáticos capazes de simular a circulação global da atmosfera e do oceano. O grupo usa o resultado desses modelos em duas condições: uma que inclui apenas influências climáticas naturais, como atividade de mancha solar ou de um vulcão, e outra, que também inclui influências humanas, como no caso o aumento das concentrações de dióxido de carbono. Os pesquisadores comparam as simulações com dados históricos de eventos extremos para analisar a condição com influências tipo naturais ou não, como a poluição, para entender melhor a realidade. A ciência está fazendo a sua função e alertando, cabe aos governantes daqui e de todo lugar mudar e avançar esta situação com medidas sustentáveis. 



Anos e décadas de dificuldades no clima e no meio ambiente precisam ser evitadas agora


(Confira na seção de comentários do blog mais informações sobre estas duas diferentes pesquisas, do Stanford Woods Institute e da Universidade do Havaí bem como mensagens e opiniões sobre este risco cada vez maior de eventos extremos e simultâneos no clima devido a desequilíbrios ambientais)





Fontes: Agência Fapesp - Ecol - EcoDebate - Nature
              folhaverdenews.blogspot.com

6 comentários:

  1. Aguarde a próxima edição de comentários que vamos resumir aqui mais informações sobre estas duas diferentes pesquisas, do Stanford Woods Institute e da Universidade do Havaí sobre a necessidade de medidas sustentáveis para se evitar o caos do clima, do ambiente, da saúde pública, da realidade da vida.

    ResponderExcluir
  2. "No caso aqui da região de Franca divisa entre São Paulo e Minas Gerais, tem chovido bastante, mais até do que o esperado, o povo aqui fala que deu uma invernada, embora não tenha não esfriado muito, espero que a chuvarada não falte no verão": comentário de José Pedro Oliveira, técnico agrícola pela Fundação Paula Sousa, atuando no nordeste paulista: "Junto ao Rio Grande mesmo com toda essa chuvarada andou baixando as represas do Rio Grande".

    ResponderExcluir
  3. Você pode por direto aqui a sua mensagem ou se preferir ou precisar mande por e-mail para nossa redação que aí postamos aqui para você, mande para navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  4. "Vídeos, fotos, material de informação, sugestão de pauta, reclamações ou críticas, você pode também enviar direto pro e-mail do editor do blog padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. “Ao longo da minha geração, qualquer clima com o qual estejamos acostumados será coisa do passado. A maioria dos estudos climáticos prevê mudanças médias globais a partir de uma data aleatória, como 2100. O novo estudo seguiu um curso diferente, ao distinguir entre diferentes regiões do planeta e tentar identificar o ano em que o clima cruzará o limite em que os eventos climáticos considerados extremos serão a norma. Entre os efeitos analisados estão a temperatura superficial de ar e mar, padrão de chuva e acidez dos oceanos. Oss resultados nos chocaram”: comentário de Camilo Mora, o principal autor do estudo, Camilo Mora, da Faculdade de Geografia, da Universidade do Havaí.

    ResponderExcluir
  6. "É a hora da natureza para se evitar o caos da nossa vida": comentário de José Pedro, economista, que nos informa estar escrevendo um livro nesse tema, para depois ter base para palestras. Abraços a este economista e ecologista de São Paulo, a quem daremos divulgação e apoio por aqui no blog da gente.

    ResponderExcluir

Translation

translation