sábado, 17 de novembro de 2018

BIOECONOMIA É A MELHOR TENDÊNCIA DO MOMENTO NO PLANETA EM BUSCA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (E POR QUE NÃO AQUI NO BRASIL?)

A Bioeconomia já é tratada como próxima plataforma de economia global e o Brasil não pode deixar de participar dessa nova revolução tecnológica


 A pesquisa é um fator essencial para a Bioeconomia


Cluster europeu de 100 empresas promove a Bioeconomia e exemplifica o potencial do que pode vir a ser a mais importante virada na realidade: é um exemplo positivo, o cluster Paper Province, da Suécia, que promove a transição entre uma economia baseada no plástico e no petróleo para uma nova estrutura econômica, que seja responsável no ponto de vista ambiental e social é hoje um projeto apoiado pelo fundo de coesão da União Europeia. O cluster (que exemplifica o potencial desta nova tendência)  segundo notícia da Euronews. integra uma empresa sueca de fabrico de caiaques: "Decidi que queria construir os mais belos caiaques do mundo, de uma forma sustentável, para mudar completamente a indústria. É importante as empresas passarem a compreender o valor da transição entre o uso do plástico e o uso de matérias primas sem petróleo", explicou Pelle Stafshede, presidente da Melker que realiza este projeto. Já por aqui no Brasil, pelas informações da agência de notícias CNI (Confederação Nacional da Indústria), a gente colheu, em resumo aqui pro blog da ecologia e da cidadania Folha Verde News o seguinte conceito: a expansão da Bioeconomia no Brasil ainda depende de regras claras, também de profissionais qualificados, visão governamental e incentivo à pesquisa. Um resumo do resumo: a principal vantagem da Bioeconomia é produzir mais com menos matéria prima e insumos.  


Produzir mais com menos matéria prima e insumos




A falta de segurança jurídica e de profissionais qualificados, aliada à burocracia e a leis complexas, prejudica o desenvolvimento da Bioeconomia no Brasil. Os dados estão em uma pesquisa inédita que foi apresentada durante a terceira edição do fórum do setor, debatendo políticas públicas e meio ambiente, objetivando a inovação nos negócios em nosso país. "A Bioeconomia já é tratada como próxima plataforma de economia global e o Brasil não pode deixar de participar dessa nova revolução tecnológica. Por isso, nos reunimos neste fórum, para debater e para avaliar possibilidades de participarmos dessa promissora fonte de negócios sustentáveis, que podem ajudar a economia e a ecologia”, afirmou Carlos Eduardo Abijoadi, diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI. 

Confira os comentários neste blog como os do economista Marcus Eduardo sobre desafios da Bioecologia


Uma nova tendência sustentável da economia


A fim de fortalecer ações propositivas, por meio da criação de políticas públicas, a pesquisa qualitativa para este fórum traçou o primeiro diagnóstico do cenário da Bioeconomia no Brasil. Os entrevistados foram mapeados conforme áreas de atuação. O levantamento foi realizado com 100 representantes de empresas ligadas ao setor, 40 integrantes dos poderes Executivo e Legislativo federais, além de 20 pesquisadores de universidades brasileiras. Os resultados foram apresentados pelo presidente da GranBio, Bernardo Gradin: “Esta pesquisa é a construção de uma imagem da indústria brasileira nesse campo de negócio. O que vemos é que temos potencial, mas o campo regulatório, numa palavra, ultrapassado". Este é ainda o principal entrave para aqueles empresários ou integrantes do movimento ecológico, científico e de cidadania que buscam as inovações que podem nos levar a criação dum futuro sustentável. 

Amplie este mapa e analise a informação


Fontes: Euronews - The European Commission - CNI  
              folhaverdenews.blogspot.com

7 comentários:

  1. Bioeconomia, uma atividade sustentável que pode abranger todos os setores econômicos que usam recursos naturais, biológicos, seres vivos, natureza...

    ResponderExcluir
  2. "Este conceito recebeu destaque já a partir de 1970 com o economista Nicholas Geoprgescu-Rogen sobre a interrelação da biologia com a economia": comentário extraído do portal da indústria do CNI, onde se prepara um site sobre o Inbbio.

    ResponderExcluir
  3. Logo mais, mais informações e opiniões sobre a Bioeconomia, aguarde a nova edição desta seção, venha conferir.

    ResponderExcluir
  4. Você pode participar com sua informação ou opinião, coloque direto aqui ou envie sua mensagem para o e-mail deste nosso blog navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  5. Vídeos, material de informação, fotos, sugestão de matérias, críticas, pautas, você pode também enviar diretamente pro e-mail do nosso editor deste blog padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  6. "Acho que é muito grave a falta de infraestrutura no Brasil para se desenvolver por aqui indústrias de ponta, ideias de ousadia e de inovação, isso e mais os poucos investimentos em pesquisa no nosso país": comentário de Fábio Perez Conrado, profissional especializado em TI, de São Paulo.

    ResponderExcluir
  7. "Nunca é demais argumentar que a economia intervém em três níveis: transformação e cálculo; o nível humano; e o nível natural. Esses três níveis citados são interdependentes e a reprodução do econômico implica a das sociedades humanas e a da natureza como um todo. A Bioeconomia se insere no campo das preocupações fundamentais que estão na perspectiva ampla de se discutir a prática daquilo que possa ser considerada uma boa economia. Isso envolve, sobremaneira, respeitar o meio ambiente e, antes disso, tecer de forma equilibrada as relações que moldam a própria vida. No entanto,infelizmente nem sempre esse assunto ganha espaço e alcança mais ouvidos. Todavia, é nosso dever contribuir para aguçar esse debate ainda que seja necessário remar contra a maré, ainda que seja preciso gritar para ouvidos que insistem em permanecer surdos à informação do futuro": comentário de Marcus Eduardo de Oliveira é Economista, professor, especialista em Política Internacional com mestrado pela (USP). Autor dos livros “Conversando sobre Economia”, “Pensando como um Economista” e “Provocações Econômicas”.

    ResponderExcluir

Translation

translation