segunda-feira, 5 de novembro de 2018

EM DOIS EVENTOS INTERNACIONAIS NA UNICAMP PESQUISADORES DEBATERAM A IMPORTÂNCIA DA ECOLOGIA AINDA MAIS EM TEMPOS DE CRISE COMO NO BRASIL AGORA

Cientistas debateram papel da ecologia para ajudar um desenvolvimento de verdade no Brasil que precisa vir a ser sustentável para mudar e avançar



Recuperar a ecologia pode ajudar um avanço também da economia brasileira



A gente recebeu um e-mail da jornalista Paula Drummond de Castro sobre estes eventos na Unicamp, não foi possível ir até lá em Campinas (SP) nestas novas  reuniões da Abeco (Associação Brasileira de Ciência Ecológica e Conservação) mas apresentamos a seguir um resumo do que foi debatido por pesquisadores brasileiros e do exterior, a bem de mudanças e de avanços em nosso país, agora.  Os dois eventos foram uma grande oportunidade para pessoas que atuam em diversas áreas de pesquisa ou aplicação da Ecologia debaterem  as frentes atuais de investigação neste setor, hoje um fator de desenvolvimento sustentável, tão importante como a própria economia, embora em geral os políticos e os governos não captem esta informação da hora. Pesquisadores, docentes, pós-graduandos, analistas, investigadores de agências ambientais e entidades ambientalistas participaram agora em agosto deste movimento que começou ainda em 2014, em Belo Horizonte (MG): a programação foi intensa e diversificada na RABECO-SET 2018, com uma ampla gama de questões, com destaque para aquelas em que o conhecimento da Ecologia pode contribuir substancialmente para a solução de problemas brasileiros críticos e crônicos, com o tema "Ecologia em tempos de crises, como ser relevante?" Vale a pena consultar as conclusões e informações nos sites da Unicamp e da Abeco. 


O cientista Thomas Lewinsohn foi um dos coordenadores deste acontecimento da hora na Unicamp


A IPBES (Plataforma Intergovernamental de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos) alertou para a crise de biodiversidade e para a pluralidade das crises ambientais. Foram levantadas evidências científicas e o alcance político dos retrocessos nas legislação ambiental, também sobre os limites do financiamento da ciência no Brasil agora. 
“Num país de tamanha extensão e diversidade ambiental, avaliar as mudanças em curso e compreender suas consequências são tarefas monumentais. Muitos ecólogos enfocam especialmente o problema da biodiversidade, mas ela não pode ser separada das consequências que essa crise traz também para as condições e a qualidade de vida humana, a dano da população, agora e no futuro cada vez mais iminente”, explicou Thomas Lewinsohn, professor do Instituto de Biologia (IB) da Unicamp e presidente da Rabeco, um dos coordenadores destes eventos superimportantes na atualidade brasileira.



Os recursos naturais podem mover a nova economia

Eventos como esse também são educação ambiental


Este acontecimento foi uma realização da Abeco (Associação Brasileira de Ciência Ecológica e Conservação) em parceria com o Instituto de Biologia da Unicamp e o Nepam (Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais), da mesma universidade. Apoiadores: Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico),  Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), Instituto Serrapilheira, INCT EECBio (Instituto Nacional de Ciência,Tecnologia em Ecologia Evolução Conservação da Biodiversidade) e Fundação Grupo Boticário.




Principais entidades da pesquisa científica e da luta ambiental participaram


(Confira depois na seção de comentários aqui no blog mais alguns conteúdos destes eventos de grande valor no Brasil agora, além de opiniões e mensagens: vale a pena também curtir o videoclip da comunidade franciscana sobre a ecologia com uma mensagem pura da cultura da vida)




Carlos Joly, do Instituto de Biologia, também participou



Fontes: unicamp.br - rabecoset2018. com.br

              folhaverdenews.blogspot.com


8 comentários:

  1. "Urgente refletir sobre como integrar os conhecimentos produzidos pela ciência ecológica para auxiliar a estancar as crises que surgem por todos os lados, isso não é uma tarefa fácil, tampouco cabe exclusivamente a cientistas, docentes, pós-graduandos, analistas, comunicadores e membros de agências ambientais e ONGs": comentário extraído de texto no site da Unicamp sobre estes eventos.

    ResponderExcluir

  2. “A ciência ecológica não é milagreira, mas oferece condições de compreender melhor a natureza dessas crises que atravessamos hoje no país agora": comentário do pesquisador, professor e presidente da Rabeco, Thomas Lewinsohn.




    ResponderExcluir
  3. “A pesquisa ecológica produzida no Brasil pode ser equiparada ao que hoje se faz nos países que lideram a ciência ecológica mundial. A oportunidade que se coloca é aproveitar o momento para dar um salto de nível no enfrentamento dos desafios e problemas ambientais no Brasil. Isso se trata de incorporar esse conhecimento no desenho e realização de melhores políticas públicas e práticas socioambientais”: comentário também do pesquisador, professor e um dos coordenadores destes eventos na Unicamp, Thomas Lewinsohn.

    ResponderExcluir
  4. Logo mais, aqui nesta seção, mais comentários e informações sobre os eventos que aconteceram na Unicamp e sobre o valor atualíssimo da recuperação da biodiversidade e da ecologia para mudar a realidade brasileira: você pode por aqui sua opinião ou se preferir ou precisar, envie a sua mensagem pro e-mail do blog da gente navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  5. Vídeos, fotos, material de informação, sugestão de matérias ou críticas, você pode também enviar um e-mail diretamente pro nosso editor do blog padinhaffranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  6. "Estes debates se tornam especialmente relevantes e sensíveis quando se trata de produzir subsídios técnicos para um necessário aprimoramento de políticas públicas": comentário do pesquisador e professor Carlos Joly, do Instituto de Biologia da Unicamp e convidado a refletir sobre o tema no debate de abertura, enfrentamos um paradoxo: “embora tenhamos ciência ecológica de qualidade, vivemos um momento de retrocesso da legislação ambiental no país”.

    ResponderExcluir
  7. "Sendo sincera, achei muito importante estes dois eventos na Unicamp que realmente ter uma divulgação pela grande mídia, ainda mais nesses momentos, mas este coral e estes músicos franciscanos são pura ecologia humana, confesso que chorei": comentário de Luíza Campos, de São Paulo, que atua com programação eletrônica.

    ResponderExcluir
  8. "Outra preocupação que aflige os ecólogos – e todos os cientistas do país – é a incerteza quanto ao financiamento futuro. Cortes de recursos financeiros afetam profundamente todas as áreas da pesquisa, da ciência e tecnologia. No caso da ecologia isto se reflete na descontinuidade dos acompanhamentos de processos ecológicos. A ecologia é especialmente sensível, porque sua pesquisa envolve organismos de vida longa e, em grande parte, é feita no campo. Você não pode desligar os processos ecológicos que está pesquisando, para religá-los quando houver dinheiro para continuar a pesquisa”: comentário de Thommas Lewinsohn, um resumo de uma de suas intervenções nos eventos da Unicamp.

    ResponderExcluir

Translation

translation