quarta-feira, 7 de novembro de 2018

LIDERANÇAS DA CIDADANIA E DA ECOLOGIA OU DO MOVIMENTO DA JUVENTUDE E DOS NEGROS OU ATÉ DE INDÍGENAS VENCEM ELEIÇÃO LEGISLATIVA CONTRA TRUMP

Donald Trump perde mais do que a maioria na Câmara para opositores democratas e os projetos da Casa Branca agora terão resistência e dificuldades nos próximos dois anos e  apesar da vitória dos republicanos no Senado já se fala até em impeachment do Presidente dos Estados Unidos: as questões ambientais e climáticas poderão ter mais força também



 Alexandria Ocasio-Cortez a mais jovem deputada eleita pelos Democratas


Nossa equipe do blog da ecologia e da cidadania conferiu informações da BBC, da Veja, da AFP, do Estadão, CNN de sites de notícias como  JB, Uol e Terra, acompanhando o evento e os efeitos das eleições legislativas de meio de mandato que no meio da madrugada desta terça feira já tinha as primeiras definições: Donald Trump não terá vida fácil a partir de agora, com os resultados das urnas dando vitória aos Democratas na Câmara dos Deputados, já declarada oficialmente. A jornalista Denise Chrispim Marin, da revista Veja, nos informa que as apurações ainda prosseguem, especialmente na costa oeste. Até agora, contudo, os democratas já têm garantidos pelo menis 222 assentos, dos 435 da Câmara, os republicanos ficaram por enquanto 199 lugares, sendo esta proporção a tendência para os últimos resultados. Mesmo não sendo obrigatório votar, a participação dos eleitores foi acima do esperado e uma pesquisa de boca de urna ainda na madrugada feita pela CNN apontou que 55% dos eleitores rejeitam Trump enquanto 44% aprovam o Governo do atual Presidente, que nas redes sociais, procurou contradizer a derrota eleitoral com comemoração duma vitória que na realidade não aconteceu. Apenas, como já estava previsto, os republicanos haviam conseguido até às 2h30 51 cadeiras do Senado, a mesma maioria que já detinha em suas mãos nesta casa. Nos 36 estados onde ocorreram eleições para Governador, os democratas conquistaram 21 vitórias e os republicanos 25. “Obrigada, amanhã será um novo dia para a América”, foi a manifestação de Pelosi, líder do Partido Democrata na Câmara e candidata à reeleição pela Califórnia. Depois de seguidas derrotas nos últimos 8 anos, haverá agora a restauração dos freios e contrapesos sobre o polêmico governo de Trump, que a partir de agora tem uma oposição, não só nas ruas ou no movimento de cidadania, da ecologia e dos jovens americanos. Nas ruas, além de brecar o projeto de reeleição de Donald Trump, já arquitetado para 2020, agora os democratas poderão levar adiante até mesmo um processo de impeachment do Presidente dos USA e mesmo que não seja vitorioso, ele desgastará a imagem e roubará muito tempo dos aliados do Governo, agora a Câmara de Deputados passa a ser um contrapeso no poder político dos Estados Unidos, por exemplo, também, na questão dos imigrantes e do desemprego. 


 Representante do movimento indígena (Deb) também  foi eleita 
Movimento em defesa da Palestina elegeu esta deputada

Duas candidatas muçulmanas também se elegeram pelo Democrata


Outro fato que está sendo comemorado é que estas eleições, mudando representantes para as 435 cadeiras da Câmara e um terço do Senado, além de 36 dos 50 governadores, tornarão o novo Congresso Nacional dos States mais  representativo da maioria da população e mais diversificado, o perfil dos candidatos e das candidatas que concorreram a uma vaga na Câmara ou no Senado aponta para maior participação feminina e jovem. Além duma maioria de mulheres, agora há até representantes de minorias como indígenas, muçulmanos, ambientalistas, como destacou Alexandria Ocasio-Cortez a candidata mais jovem eleita deputado agora. Ela é ligada dentro do Partido Democrata a uma nova espécie de socialismo democrático que se caracteriza não pelo ideário marxista ou da esquerda tradicional e sim pelo ativismo pelos direitos do consumidor, dos movimentos populares, dos negros ou dos pobres, grupos sociais, luta por liberdade e cidadania, é a nova New Left renovando a política na América do Norte que também busca mudar e avançar para uma realidade mais justa e mais sustentável. É mais do que somente política, uma busca de inovação agora até mesmo no american way of life. 



 Movimento dos estudantes foi decisivo nesta virada eleitoral nos States



(Confira a seguir na seção de comentários atualizações dos resultados da eleição, bem como outras informações e detalhes)


Movimento dos negros, de artistas e dos atletas da NFL também avança com a nova situação política dos Estados Unidos pós eleições legislativas agora
Várias minorias e movimentos comemoram eleição legislativa



Fontes: Veja - JB – Estadão - APF - BBC - CNN - Uol - Terra
              folhaverdenews.blogspot.com



7 comentários:

  1. Aguarde atualizações e mais informações segundo as fontes citadas nesta matéria aqui no blog, em breve, em nova edição desta seção do nosso blog, OK?

    ResponderExcluir
  2. Você pode opinar aqui nesta seção, se preferir, envie uma mensagem ao e-mail da redação deste nosso blog de ecologia e de cidadania: navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  3. Vídeos, material de informação, fotos, comentários, sugestão de pauta, críticas, você pode mandar seu conteúdo também de forma direta pro e-mail do nosso editor aqui neste webespaço do movimento da gente: padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. "Com certeza, Donald Trump perde mais que uma eleição mas os Estados Unidos ganham imagem positiva para a democracia lá, esta eleição serve de alerta para os radicais de direita e etc por aqui no Brasil também": comentário de João Paulo de Morais Silveira, estudante da UFRJ.

    ResponderExcluir
  5. "A mudança no perfil esperado do novo Congresso é basicamente entre os candidatos democratas, o que deve tornar os dois partidos americanos ainda mais opostos, não só na ideologia, mas na cara que seus representantes terão. Alexandria Ocasio-Cortez, formada em Economia, garçonete e líder civil ganhou a eleição desta terça-feira, vencendo o republicano político tradicional Anthony Pappas, e se torna a mulher mais jovem eleita para para o Congresso, por exemplo, na Pensilvânia, por exemplo, mais três mulheres democratas têm chance de ainda ganhar cadeiras dos republicanos na Câmara. O desempenho democrata na Câmara mostra o novo perfil do partido que deve prevalecer para a eleição de 2020: com maior diversidade racial e de gênero e mais à esquerda. Os dois partidos então se tornam mais radicais diante da próxima eleição presidencial e esta luta pode favorecer diretamente a população americana": comentário sobre a eleição americana no site de notícias JB.

    ResponderExcluir
  6. "O número de candidatas concorrendo este ano bateu recorde, tanto na Câmara como no Senado. Segundo o Center for American Women and Politics, da Rutgers University, 237 mulheres disputaram uma vaga na Câmara e 23 no Senado. Há Estados em que a disputa ao Senado se deu entre duas mulheres, como Nova York, Nebraska, Wisconsin e Minnesota. Atualmente, de 100 senadores, 23 são mulheres. Em toda a história do Senado americano há apenas 52 mulheres. As primeiras pesquisas de boca de urna divulgadas na madrugada apontavam que 78% dos eleitores consideravam importante eleger mulheres e 71% responderam favoravelmente à eleição de minorias raciais, até de jovens muçulmanas": comentário na matéria sobre as eleições legislativas na CNN.

    ResponderExcluir
  7. "Embora haja mais mulheres republicanas concorrendo, a trajetória (de aumento do número de candidatas) é bastante linear": comentário de Michele Swers, professora de governo americano da Georgetown University, citando a diferença entre o aumento do número de democratas e republicanas na disputa. Segundo ela, o número de mulheres candidatas ao Congresso tem crescido desde 1992 - ano considerado como crucial para aumento da participação feminina no legislativo americano -, mas segue relativamente estagnado para os republicanos: "Tem mais a cara dos democratas".



    ResponderExcluir

Translation

translation