terça-feira, 20 de novembro de 2018

QUESTÃO HÍDRICA NOS ESTADOS UNIDOS SURPREENDE E É UM ALERTA TAMBÉM SOBRE TODAS AS RESERVAS DE ÁGUA DO BRASIL INCLUSIVE NO AQUÍFERO GUARANI POR AQUI

Suprimento mundial de água doce hoje já está bem mais limitado do que se supunha antes desta pesquisa da Universidade de Saskatchewan e da Universidade do Arizona com participação de pesquisadores da UC Santa Bárbara, Califórinia (USA)


A escassez de águas está agora no mapa de todo planeta



A situação exige mudança radical em todo país hoje


Este alerta é o maior destaque ambiental em sites sobre meio ambiente em todo mundo e aqui no Brasil, uma das manchetes do EcoDebate hoje, nossa equipe do blog da ecologia e da cidadania Folha Verde News resume esta informação sobre uma maior escassez de água doce do que antes se calculava, os Estados Unidos agora fazem parte do mapa de risco: este estudo está revelando agora que a os States têm menos água subterrânea fresca do que já é necessário por lá, de acordo com pesquisa coordenada por cientistas da UC Santa Barbara. E o que nos informa reportagem de Harrison Tasoff.  A água subterrânea, que tem sido usada para irrigar colheitas, saciar gado e matar a sede da população americana por milhares de anos está surpreendentemente mais escassa do que se imaginava e água, você sabe, é um recurso natural e vital em todo o planeta. As  conclusões de Scott Jasechko e Debra Perrone, dois professores e pesquisadores da UC Santa Barbara, lado a lado com estudos feitos na Universidade de Saskatchewan e na Universidade do Arizona, estão alertando: o suprimento mundial de água doce pode ser mais limitado do que se pensava até agora. E este fato fica mais dramático com a exploração em aquíferos do Xisto, o gás do petróleo, algo que já e comum nos USA e começa a ser explorado por aqui também. 



 Pesquisa adverte sobre riscos na exploração do gás de petróleo...

...Gás de Xisto atinge e polui águas dos aquíferos


As pesquisas e as conclusões estão também na Environmental Research Letters, esta revista documenta  nesse tema as profundidades nas quais a água subterrânea transita de fresco para salino. Este estudo é o primeiro a comparar a profundidade dos poços de água subterrânea com a profundidade da água subterrânea salina que existe em escala continental. Quase como a forma com que o chá é fermentado em uma chaleira, também quanto maior é o tempo que a água fica em contato com a rocha, isso faz e, geral com que os minerais da rocha se dissolvam nela. Nesse contexto e último trabalho feito por estas pesquisas demonstra que a perfuração de poços cada vez mais profundos corre o risco de bombear água salgada em algumas regiões. “Em alguns lugares, a água subterrânea salina é mais rasa do que todo mundo pensava até hoje”, concluiu Jasechko, professor assistente da Escola Bren de Ciência e Gestão Ambiental da UC Santa Barbara:  "A principal lição deste trabalho é que as águas frescas infelizmente são finitas, pior ainda que o uso excessivo de água doce tal como se dá atualmente poderá vir a interromper a produção de alimentos, a fabricação de vários produtos, o abastecimento nas cidades e o consumo doméstico de água”.


Os estudos feitos agora em regiões dos States que antes....

...tinham fartura de água mas escasseando agora como no semiárido daqui


“Combinar estudos top-down e bottom-up pode nos dar já uma janela onde existe água subterrânea fresca e não contaminada, e onde este recurso está diminuindo, o problema da escassez está chegando com tudo", comenta por sua vez a parceira deste trabalho da UC Snta Bárbara, Debra Perrone.  Além da salinidade, as atividades de petróleo e gás podem restringir a quantidade de água subterrânea utilizável que um aqüífero tem a oferecer. A maior parte dos poços convencionais de petróleo e gás chega até muito abaixo do que deveria ser a profundidade em que as pessoas perfuram a água. É grave que as empresas de petróleo e gás geralmente descartam efluentes em poços de injeção, às vezes em profundidades onde acabam atingindo e poluindo a água subterrânea: “Em algumas bacias, os poços de injeção são instalados em pontos menos distantes de onde está a transição da água doce para a água salobra”, disse Perrone. “Os resultados da nossa equipe também  já sugerem que as comunidades estão competindo por recursos hídricos subterrâneos já limitados”, completou Jasechko ao final desta pequisa da UC Santa Bárbara.


 Escassez em algumas regiões dos States poderá ficar crônica como a do Nordeste do Brasil


“Precisamos urgentemente proteger as águas subterrâneas mais profundas e frescas. A água é ainda abundante na Terra, mas apenas uma pequena parte ainda é fresca, descongelada naturalmente e própria para consumo humano" : esta é a conclusão destes pesquisadores, confira mais detalhes sobre a escassez hídrica aqui no Brasil também na seção de comentários do blog da gente, OK? 



Urgente nesta situação proteger as águas subterrâneas




Fontes: EcoDebate - Environmental Research Letters
              folhaverdenews.blogspot.com

7 comentários:

  1. "Os próximos passos de pesquisa da UC Santa Bárbara com a Universidade de Saskatchewan e a Universidade do Arizona, os planos da equipe envolvem a exploração de como a salinidade da água subterrânea e as profundidades dos poços variam em outras áreas do planeta onde a água subterrânea fornece águas vitais para beber ou para irrigar": comentário extraído de matéria no site brasileiro de assuntos socio0ambientais Eco Debate.




    ResponderExcluir
  2. Caso você queira consultar o roginal da pesquisa na íntegra, aqui a fonte - OPEN ACCESS

    Competition for shrinking window of low salinity groundwater
    Grant Ferguson1, Jennifer C McIntosh2, Debra Perrone3 and Scott Jasechko4
    Published 14 November 2018 •
    Environmental Research Letters, Volume 13, Number 11
    http://iopscience.iop.org/article/10.1088/1748-9326/aae6d8/meta

    ResponderExcluir
  3. Logo mais aqui nesta seção, edição de comentários, também sobre a questão da exploração de gás de petróleo em aquíferos, algo que levou a um movimento de protestos nos Estados Unidos. Há informações (que já demos em outras postagens aqui no blog e de outras fontes) que aumentou demais o risco de exploração deste Gás de Xisto por aqui no Brasil, também no Aquífero Guarani, as empresas estão saindo dos Estados Unidos e procurando explorar em outros países.

    ResponderExcluir
  4. Você pode por aqui a sua informação ou opinião, se preferir, mande um e-mail para este blog através do seguinte endereço navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  5. Outra opção é você mandar seu conteudo, seja vídeo, fotos, material de informação, sugestões de pauta ou críticas, direto pro e-mail do editor deste blog padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  6. "Teve os incêndios e agora esta pesquisa, me parece que os Estados Unidos parece estar entrando no mapa dos países com problemas ambientais. não é só prá contrariar Trump, se trata mesmo duma questão planetária, do modo de viver das pessoas e dos países": comentário de Rubens Gonçalves, economista e empresário, de São Paulo.

    ResponderExcluir
  7. "Nesse problema do gás de petróleo, ainda bem que no Paraná mais de 200 municípios criaram uma legislação de proteção aos mananciais e ao Aquífero Guarani diante da exploração do gás de xisto, que é predatória e poluente das reservas de água. Mas o resto do Brasil parece nem estar aí, a culpa é também da grande mídia que não discute este problema": comentário de Saulo David, de Cascavel, Paraná, engenheiro agrônomo e produtor de café.

    ResponderExcluir

Translation

translation