sexta-feira, 21 de dezembro de 2018

ESTÁ RENASCENDO TIPO UM PANTANAL NO LAGO DE MARKERNEER QUE ESTAVA MORTO NA HOLANDA E ESTÁ SENDO RECUPERADO POR ENGENHARIA AMBIENTAL

Um projeto da Sociedade Holandesa Pela Conservação da Natureza está construindo ilhas artificiais para recuperar águas, peixes, vegetação, canais, praias, pantanais: um exemplo do que pode ser feito um dia no Brasil em áreas que já perderam a sua ecologia



O lago morto de Markerneer já renasce como Marker Wadden



Inspirados nas Ilhas Wadden, que fazem parte da linda natureza do norte da Holanda, a transformação do  enorme mas já morto Lago de Markerneer em um arquipélago artificial com ilhas, canais, praias e pantanais é uma recuperação tecnológica da ecologia perdida: recebemos as informações por e-mail de ecologistas ligados à Sociedade Holandesa pela Conservação da Natureza, conseguimos mais dados, fotos e vídeo na agência Euronews e no site Nexojornal, para divulgar por aqui no blog da gente Folha Verde News como hoje é possível com inteligência, tecnologia e investimentos, recuperar o equilíbrio ambiental dum ecossistema, ainda que através de estruturas artificiais, reconstituindo artificialmente o que era a natureza, se trata de algo exemplar nessa época de tanta destruição, a reconstrução da ecologia.  Confira a seguir o nosso resumo sobre esta situação inovadora.  


Lodo e sedimentos mataram o grande Lago de Marekrneer




Você sabe que metade das terras da Holanda estão abaixo do nível do mar e este país fez história na engenharia de diques. Estas construções foram consideradas a maravilha do Século 20, a construção dis Zuiderzeewerken desde a década de 30, há mais de 70 anos, ampliando assim as terras para a agricultura, aumentando a segurança contra enchentes e outros problemas socioambientais nas proximidades de Amsterdã, a capital holandesa. (E esta engenharia poderá vir a ser útil de novo num futuro próximo, caso o nível das águas do mar em algumas regiões aumente dois ou três metros devido ao aquecimento global, o que a gente discutiu aqui no blog, mostrando pesquisa da NASA na Antártica, mas vamos voltar à nossa pauta de hoje, a reconstrução da ecologia no Lago de Markerneer).






É um dos avanços da cultura sustentável do Século 21 para recuperar o grande Lago de Markerneer que como sequela da construção de diques, que redesenhou a geografia da Holanda, acabou por perder o seu equilíbrio ecológico, resultado da engenharia dos diques e também pela ação dos ventos na região todo o Lago foi perdendo a vida, acabaram os peixes, a vegetação, virou tudo uma paisagem morta. Ali onde a natureza morta antes fazia parte da grande Baía de Zuiderzee, com os diques o local ficou isolado da baía e do mar, virou uma represa (com 3 a 6 metros de profundidade), o lodo e os sedimentos flutuam, a água ficou cada vez mais escura, impedindo a fotossíntese, o crescimento de plantas, das algas e a vida dos peixes. Mas agora já está em ação o projeto de recuperação da natureza através da tecnologia atual, através da engenharia ambiental contemporânea. 


Já são pescados e preparados mexilhões do Marker Wadden



Desde 2013 surgiram as primeiras notícias sobre este avanço com as pesquisas que já iam sendo divulgadas no jornal Inland Waters, mostrando que a concentração de matéria suspensa na água prejudicava a quantidade e a sobrevivência dos tradicionais mexilhões deste lugar, resistindo no ambiente hostil no fundo do lago. Agora, o projeto da Sociedade Holandesa Pela Conservação da Natureza inspirou a engenharia a usar o lodo como matéria prima para construir ilhas artificiais, praias, canais e pantanais, imitando a natureza das Ilhas Wadden do norte do país. Devido a isso, o grande lago vai se chamar a partir de agora Marker Wadden. A construção começou em abril. A primeira ilha artificial custou 70 milhões de euros, as outras quatro do projeto juntas vão ter o custo de mais 50 milhões de euros, sendo que outros 225 milhões de euros já estão destinados pelo governo e doações na Holanda para construir e proteger o novo ecossistema, resgatando a ecologia perdida no grande lago que morreu e agora renasce. 


 A inspiração para tudo foram as maravilhosas Ilhas de Wadden


A empreiteira Boskalis, que tem todo um know how de construção de ilhas na Indonésia e no Panamá, incluindo também a criação de canais artificiais, com a tecnologia ambiental os sedimentos se soltam, a água se torna cada vez mais limpa, moluscos já voltaram a aparecer e já ajudam a filtrar mais as águas, o grande lago já está começando a existir de volta, ressuscitando a natureza que já esta´sendo recriada, voltando as plantas, o oxigênio, os peixes, para ali se recriar a ecologia da vida, enfim, esta é uma notícia extraordinária, já renasce o lago Marker Wadden para os esportes náuticos e para toda a vida futura da Holanda. Lá, o que os homens destruíram, estão reconstruindo, diferente do que a gente em geral observa por aqui. (Antônio de Pádua Silva Padinha, ecologista e editor deste blog)

Voltam aos poucos as plantas, os peixes, os esportistas...


(Confira mais informações na seção de comentários aqui no blog, por exemplo, como esta tecnologia de reconstrução do equilíbrio do meio ambiente poderá quem sabe um dia vir a recuperar a ecologia perdida em alguns lugares importantes da natureza do Brasil)


A ecologia renasce à beira do novo lago Marker Wadden



Fontes: Sociedade Holandesa Pela Conservação da Natureza 
              Euronews - Nexojornal
              folhaverdenews.com.br 



6 comentários:

  1. Este post foi um dos mais difíceis que realizamos, por ser uma realidade e um língua totalmente diferentes do que temos no Brasil, felizmente, tivemos o apoio de vídeo e de fotos da Euronews e do site Nexojornal. Uma realidade muito deferente da brasileira, na Holanda realmente governo, população, com apoio de ambientalistas e de cientistas, investem na ecologia.

    ResponderExcluir
  2. Por aqui no Brasil, cada vez mais se deterioram monumentos da nossa natureza, como a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro, que pode um dia ser a meca do ecoturismo ou como o próprio e super poluído Rio Tietê em São Paulo, que há um pouco mais de 100 anos era um canal de canoagem, esportes, pesca de lazer e de alimentos. Nos dois casos, dois desgovernos ambientais, nos últimos 20 anos ou mais foram investidos milhões e milhões de dólares para despoluir e recriar toda a ecologia perdida. Mas não, nada foi realmente efetivado e assim como outros points da nossa natureza estão se deteriorando, como a Guanabara, ou mortos, como o Rio Tietê.

    ResponderExcluir
  3. Em todo o sistema de Hidrelétricas por aqui na região de divisa entre São Paulo e Minas Gerais, as represas estão assoreadas e as águas poluídas pelo gás carbono das plantas submersas...A ecologia precisa ser restaurada por aqui também, como se está fazendo de forma exemplar no Lago de Markewrneer, na Holanda. Tecnologia existe. Falta o quê?

    ResponderExcluir
  4. Falta cultura da vida, gestão ambiental, investimentos na recuperação da ecologia perdida. Basta ver a questão da escassez hídrica em todo o semiárido do Brasil, a tal de transposição do Rio São Francisco (morrendo). Só com um projeto e uma tecnologia ambiental contemporânea, esta natureza poderá recuperar o seu equilíbrio.

    ResponderExcluir
  5. O próprio e extraordinário tesouro da natureza do interior do Brasil, o Pantanal matogrossense agredido por poluição das plantações de soja que usam agrotóxicosm pesados e por falta de gestão ambiental sustentável, de repente, em breve poderá ter que vir a ser recuperado em sua ecologia, como se faz agora na Holanda, ilhas e canais artificiais fazendo renasce o grande Lago de Markerneer que estava morto e agora renasce como o Marker Wadden, por inspiração de ecologistas e por gestão de empresas e governo na Holanda.

    ResponderExcluir
  6. "Espetacular essa matéria para valorizar a engenharia ambiental e o investimento em meio ambiente, a tecnologia hoje é capaz de recuperar sim a ecologia perdida": comentário de Tadeu Yunes, engenheiro civil, de São Paulo. (A equipe aqui do blog agradece os elogios): "Vou divulgar esse belo trabalho de vocês", diz ainda Tadeu Yunes,

    ResponderExcluir

Translation

translation