sábado, 29 de dezembro de 2018

FIM DE ANO É A DATA MÁXIMA DO DRAMA DO DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS (AO CONTRÁRIO DO BRASIL NOS PAÍSES MAIS RICOS ESTE PROBLEMA ESTÁ ENCONTRANDO SOLUÇÕES)

Dinamarca por exemplo todo um país está contra o desperdício de comida graças à luta de ativistas da cidadania e da ecologia bem como de comerciantes e de fabricantes obtendo uma redução em 25% deste problema socioambiental, cultural e econômico


 Urgentes medidas sustentáveis para um drama social


Isabel Ferrer, do site El Pais, fez há alguns dias reportagem neste tema desde Copenhague porque a Dinamarca é o país que hoje mais se destaca na solução sustentável deste triste  problema. A educação ambiental lá sugere medidas como  aproveitar até as folhas verdes da cenoura com que se pode fazer um molho. Folhas dos rabanetes lavadas e marinadas são ótimas para saladas. Levadas ao forno, as que rodeiam a couve-flor ficam saborosas e crocantes. Essas receitas foram dadas pelo especialista Timm Vladimir, chef e ator, ela comentou que  elas não são novas, mas seus ingredientes costumam acabar no lixo, pelo fato de não parecerem comestíveis. E assim, informa Timm, que pesquisou o assunto, 30% de toda a comida produzida no planeta e 25% da água usada no cultivo destes alimentos são duplamente desperdiçados num momento em que muita, muita gente não tem o que comer. Até 2050 será necessário aumentar em 60% a oferta para alimentar  os quase 10 bilhões de seres humanos que habitarão a Terra daqui 30 anos, pelos dados da ONU. 



 O desperdício se mostra em vários setores da alimentação


Na Dinamarca o esforço dos últimos cinco anos agora já dá frutos: o país reduziu as perdas de alimentos em 25% graças ao impulso do movimento que é liderado pela plataforma digital Stop Spild Af Mad (Basta de desperdiçar comida). Esse grupo tornou popular esta luta ecológica e de cidadania, é algo tão exemplar e motivador que até alguns gigantes do setor da alimentação já embarcaram na ideia como Nestlé e Unilever, chefs famosos e redes de supermercados como a Rema 1000. De tanto ser debatida e divulgada em meia década essa mensagem agora já mobilizou a população dinamarquesa, sendo hoje utilizada como um índice de imagem positiva do desenvolvimento sustentável deste país. Não se pode dizer o mesmo do Brasil, infelizmente, onde dados do Ibase e alertas da representação no Brasil das Nações Unidas (ODS)  em seu site mostram que o problema por aqui é monstro e ainda mais nesta época do ano, onde o desperdício bate recordes nos supermercados, nos varejões, nos restaurantes, até mesmo na produção agrícola de alimentos e de frutas. 




 Por essas e outras o Brasil pode voltar ao Mapa da Fome



No Brasil, há risco crescente de nosso país voltar ao Mapa da Fome da FAO (órgão que cuida de alimentação na ONU), por aqui 5% da população é subnutrida e 30% estão mal alimentados. Em termos continentais, também nossa nação e toda América Latina e Caribe hoje têm uma realidade em que está aumentando em 40% o risco de mais pessoas passarem fome. Neste contexto, o desperdício de alimentos não é somente um prejuízo da economia ou de alcance ambiental, se trata também dum crime, ainda impune. 




 Como na Dinamarca é possível uma solução sustentável 


(Confira na seção de comentários do blog da gente mais informações sobre esta pauta de hoje que tem tudo a ver com o que rola nas festas de fim de ano)




 Clique, amplie e confira estes dados



Fontes: El Pais - Ibase - FAO da ONU
              folhaverdenews.com.br




7 comentários:

  1. Já temos alguns comentários para editar aqui nesta seção, aguarde e venha conferir depois, OK?

    ResponderExcluir
  2. Você pode colocar aqui a sua opinião ou a sua informação, se preferir envie a mensagem por e-mail para a redação da equipe deste blog navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  3. Vídeos, material de informação, fotos, críticas, denúncias, você pode mandar a sua mensagem direto pro e-mail do editor deste blog padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. "É preciso desde já buscar medidas sustentáveis para este problema, daqui algumas décadas ele será um drama": comentário de Timm Vladimir, Chef e Ator, entrevistado pelo site El Pais e também tema de notícia na BBC News.

    ResponderExcluir
  5. "Estou por aqui no Guarujá e o que eu vejo nas praias, bares e restaurantes é sim o maior desperdício por aqui também, esta matéria tem tudo a ver": comentário de Romeu César Freitas, que é estudante da Unesp e tem família em Ribeirão Preto (SP), que ele diz ser "um pessoal preocupado do isso faz tempo em nossa casa".

    ResponderExcluir
  6. “Se você for analisar, faz sentido. Para que comprar mais do que o necessário? E, no entanto, todos nós fazemos isso e isso precisa mudar": comentário de Anne-Marie Jensen Kerstens, consultora alimentar da Federação de Comerciantes Varejistas (DSK, na sigla em dinamarquês). Em 2008, essa foi a primeira rede de supermercados da Dinamarca a eliminar os descontos por volume, como o 3x2, preferindo oferecer produtos unitários a preços baixos. “Não só não atrapalhou as vendas como o cliente tende a levar a quantidade exata”.

    ResponderExcluir
  7. "O caminho dinamarquês contra o desperdício de alimentos – todos os caminhos, na verdade – levam a Selina Juul, uma designer gráfica transformada em ativista que abalou as consciências. Nascida em Moscou em 1980, chegou à Dinamarca com 13 anos e logo percebeu um fato para ela inconcebível. “As pessoas jogavam fora os restos de comida, quando em Moscou não sabíamos o que íamos comer no dia seguinte”, lembrava a criadora de Stop Spild Af Mad em um restaurante do centro perto do Ministério de Alimentação, Agricultura e Pesca. Sua posição e sua determinação transformaram a Dinamarca. De cidadã irritada com o desperdício de alimentos (um total de 700.000 toneladas por ano, das quais 260.000 correspondem ao consumidor), Juul transformou Stop Spild Af Mad na maior ONG de cidadania no país": comentário de Isabel Ferrer, jornalista que fez a reportagem sobre este movimento que já repercute internacionalmente, o Stop Spid Af Mad.

    ResponderExcluir

Translation

translation