sábado, 1 de dezembro de 2018

NOVO PROCESSO ELETROQUÍMICO PARA DESPOLUIR ÁGUA CONTAMINADA COM MERCÚRIO QUE CAUSA GRANDES DANOS AMBIENTAIS E DE SAÚDE NO BRASIL DOS GARIMPOS E NO MUNDO TODO

Pesquisadores da Universidade Técnica Chalmers da Suécia são o destaque da revista científica Nature Communications e estão sendo agora elogiados pela Organização Mundial da Saúde (OMS da ONU) por esta vitória importantíssima no duelo poluição versus tecnologia


 A contaminação da água por mercúrio tem sido cada vez mais comum em garimpos no Peru, na Colômbia, no Brasil



 Eliminar a contaminação da água por mercúrio é um feito extraordinário da Universidade Técnica de Chalmers


Agora esta pesquisa da Universidade Técnica Chalmers, da Suécia, obteve a solução nova e sustentável para se limpar totalmente a água contaminada por mercúrio através de um processo eletroquímico: este tipo de contaminação é comum no Brasil em áreas de garimpo clandestino de ouro (que usa mercúrio no processo de captação do metal), gerando problemas de saúde pública que atinge toda a população que tem contado com esta água. Na Amazônia em especial no Peru e na Colômbia o mercúrio polui vários rios. Porém, este avanço aconteceu na Europa agora em pesquisa feita por uma equipe liderada pelo cientista sueco Björn Wickman, com certeza os resultados precisam ser importados pela América Latina. A informação é a manchete também no site nacional de assuntos socioambientais EcoDebate e a gente aqui no blog da ecologia e da cidadania Folha Verde News resume hoje para você esta notícia positiva que bomba na Internet em matéria de Mia Halleröd Palmgren e Joshua Worth, com tradução para português de Ivy do Carmo, Magma Translation. Confira a seguir, OK? 




 Sucesso a pesquisa de Björn Wickman e de Cristian Tunsu na Universidade Técnica de Chalmers (polo de alta tecnologia na Suécia)



"Os resultados excederam as expectativas que no começo tínhamos ao criar esta técnica", comentou o líder da pesquisa Björn Wickman, do Departamento de Física da Chalmers: "Nosso novo método torna possível reduzir em mais de 99% o conteúdo de mercúrio em um líquido. Isto pode tornar a água segura para o consumo humano". Poderá resolver um drama por aqui no Brasil e na América do Sul, na África, em todo o planeta enfim. 




Na Amazônia do Peru foi decretado estado de emergência pelo volume de contaminação da água por mercúrio em garimpos


De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o mercúrio é uma das substâncias mais prejudiciais à saúde humana. Ele pode influenciar todo sistema nervoso, também o desenvolvimento do cérebro. É particularmente prejudicial para as crianças e a contaminação pode ser transmitida da mãe para o bebê durante a gravidez. Além disso, o mercúrio se espalha rápido na natureza com grande facilidade e pode entrar na cadeia alimentar. Peixes de água doce, por exemplo, muitas vezes contém altos níveis de mercúrio. Assim nos últimos dois anos, Björn Wickman ao lado de Cristian Tunsu, os dois indo à luta e pesquisando no Departamento de Química e Engenharia Química na Chalmers, estudaram um processo eletroquímico para remover o mercúrio da água. O método deles consiste em extrair os íons de metal pesado da água por estimulá-los a formar uma liga com outro metal. 



Ilustração sobre a pesquisa de Chalmers que conseguiu agora descontaminar a água poluída por mercúrio metal altamente tóxico


"Hoje, remover níveis baixos, porém prejudiciais, de mercúrio de grandes quantidades de água é um grande desafio. No caso, indústrias precisam de  métodos avançados para reduzir também o perigo de o mercúrio ser liberado na natureza", explica ainda Björn Wickman. Este novo método deles envolve uma placa de metal – um elétrodo – atraindo metais pesados específicos. O elétrodo é feito do metal nobre platina e desta forma através de um processo eletroquímico ele extrai o mercúrio tóxico da água para formar com ele uma liga. A água é purificada da contaminação por mercúrio. A liga formada pelos dois metais é muito estável, então não há riscos de o mercúrio retornar à água. "Uma liga desse tipo já foi feita antes, mas com um propósito totalmente diferente em mente. Esta é a primeira vez em que a técnica de fazer ligas eletroquímicas foi usada para propósitos de descontaminação e a gente conseguiu sucesso nesta busca"", comentou por sua vez a  pesquisadora Cristian Tunsu, também da Universidade Técnica de Chalmers.


 Além de poluir o ambiente a contaminação da água por mercúrio gera doenças do fígado de alta gravidade  também por aqui no Brasil


Como a água é purificada através de eletroquímica: Quando os íons de mercúrio (roxo claro) em um líquido se aproximam de um elétrodo de platina, eles são atraídos à superfície do elétrodo, onde são reduzidos a mercúrio metálico. No elétrodo, os átomos de mercúrio (roxo escuro) e os átomos de platina (cinza) formam uma liga muito forte, e o mercúrio é consequentemente removido da água. Uma grande conquista da dupla de cientistas Björn Wickman e Adam Arvidsson, da Universidade Técnica de Chalmers, Suécia. 




Na Colômbia a OMS denuncia que contaminação por mercúrio chegou a um nível de tragédia ambiental e humana


(Confira na seção de comentários aqui no blog da gente mais informações sobre esta conquista científica, vencendo, pelo menos desta vez, o duelo tecnologia X poluição, que tem dado uma "goleada" quase sempre a dano do meio ambiente e da saúde pública, também por aqui em nosso país)



Esta sequência de fotos mostra...


...mais um garimpo clandestino de ouro descoberto pela Ibama...

...contaminando garimpeiros, água, peixes e população


Fontes: EcoDebate - Nature Communications - ONU
              folhaverdenews.com.br



9 comentários:

  1. "Um ponto forte da nova técnica de limpeza da água poluída por mercúrio é que o elétrodo tem uma potência muito alta. Cada átomo de platina consegue se ligar a quatro átomos de mercúrio. Além disso, os átomos de mercúrio não somente se ligam na superfície, mas também penetram mais profundamente no material, criando densas camadas. Isto significa que o elétrodo pode ser usado por um longo período. Após usado, ele pode ser esvaziado de forma controlada. Deste modo, o elétrodo pode ser reciclado, e o mercúrio eliminado de forma segura. Um ponto positivo adicional deste processo é sua eficiência energética e a sua estrutura sustentável": comentário extraído da publicação sobre esta pesquisa vitoriosa pela revista científica Nature Communications.

    ResponderExcluir
  2. “Outra coisa ótima em nossa técnica é que ela é muito seletiva. Embora possa haver muitos tipos diferentes de substâncias na água, ela remove apenas o mercúrio. Portanto, o elétrodo não desperdiça potência por desnecessariamente retirar substâncias inofensivas da água”: comentário de Björn Wickman, da Universidade Técnica de Chalmers.

    ResponderExcluir
  3. "A informação é que já está sendo solicitada a patente para o novo método, e a empresa Atium foi formada agora a fim de comercializar a descoberta. A inovação já recebeu diversos prêmios, tanto na Suécia como internacionalmente. A pesquisa e os colegas na empresa também receberam uma forte reação da indústria. Tudo nisso valoriza muito o polo de tecnologia avançada que é a Universidade de Chalmers": comentário extraído do site brasileiro Eco Debate que traduziu matéria da mídia sueca sobre esta conquista ambiental e científica.​

    ResponderExcluir
  4. “Já tivemos interações positivas com muitas partes interessadas, que estão desejosas de testar o método. No momento, estamos trabalhando em um protótipo que possa ser testado fora do laboratório, sob condições reais, por exemplo, na realidade de garimpos de ouro que poluem águas com este metal pesado altamente tóxico": comentário extraído da reportagem sueca de Mia Halleröd Palmgren e Joshua Worth que entrevistou os pesquisadores de Chalmers, tradução para português de Ivy do Carmo, da Magma Translation.

    ResponderExcluir
  5. Leia para todos os detalhes o artigo “Remoção efetiva de mercúrio de fluídos aquosos através da formação de liga eletroquímica na platina”​ na revista Nature Communications.

    ResponderExcluir
  6. "Esta técnica pode ser usada para reduzir a quantidade de resíduos e para aumentar a pureza de tais, para processar água nas indústrias química e mineradora, e na produção de metal. Ela pode contribuir para uma melhor limpeza ambiental de lugares onde há terras e fontes de água contaminadas. E pode até mesmo ser usada para purificar água potável em ambientes severamente afetados pelo mercúrio porque, graças ao baixo consumo energético, pode ser totalmente alimentada por células solares. Então, ela pode ser desenvolvida em tecnologia portátil e de purificação de água reutilizável": comentário extraído de emissão sobre esta pequisa da Universidade Técnica de Chalmers pela BBC News.

    ResponderExcluir
  7. "Os metais pesados em fontes de água criam grandes problemas ambientais e influenciam a saúde de milhões de pessoas ao redor do mundo. Os metais pesados são tóxicos para todos os organismos vivos na cadeia alimentar. O mercúrio é uma das substâncias mais perigosas para a saúde humana, influenciando nosso sistema nervoso, desenvolvimento cerebral e mais. A substância é especialmente perigosa para as crianças e fetos.
    Atualmente, existem normas rígidas quanto ao manejo de metais pesados tóxicos para impedir sua propagação na natureza. Mas há muitos lugares no mundo que já estão contaminados e os metais podem ser transportados pela chuva ou até pelo ar. Isto resultar em certos ambientes onde os metais pesados se tornam abundantes, como no caso dos peixes em fontes de água doce. Nas indústrias que utilizam metais pesados, existe a necessidade de melhores métodos para reciclar, purificar e descontaminar a água afetada": comentário de notícia feita pela ONU, a partir da OMS (Organização Mundial da Saúde). ​





    ResponderExcluir
  8. "Estes dois pesquisadores vão acabar ganhando um Prêmio Nobel da vida por este sucesso numa pesquisa tão complicada como esta e tão urgente para a ecologia e para a saúde humana, nossa homenagem a Björn Wickman e Adam Arvidsson, desta universidade da Suécia": comentário de Consuelo Marques, que fez mestrado na UFMG sobre o problema dos garimpos de ouro em Minas Gerais.


    ResponderExcluir
  9. Para mais informações:
    Effective removal of mercury from aqueous streams via electrochemical alloy formation on platinum

    Cristian Tunsu & Björn Wickman

    Nature Communicationsvolume 9, Article number: 4876 (2018)

    DOI https://doi.org/10.1038/s41467-018-07300-z

    Tradução de Ivy do Carmo, Magma Translation (magmatranslation.com)

    "Novo processo eletroquímico remove mercúrio tóxico de água contaminada," in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 30/11/2018, https://www.ecodebate.com.br/2018/11/30/novo-processo-eletroquimico-remove-mercurio-toxico-de-agua-contaminada/.

    ResponderExcluir

Translation

translation