terça-feira, 11 de dezembro de 2018

RAÍZES DA ARTE E DA ALMA DO BASKETBALL MADE IN FRANCA (UMA ENERGIA PURA E MAIOR QUE VEM DE DENTRO DO ATLETA, DE TODO ESPORTISTA E DE TODA CIDADE)

Reflexão sobre as gerações do basquetebol francano de 1966, 67, 68 e 69 até hoje e a partir da luta, dos ideais e das realizações na visão de dois basqueteiros que são fiéis herdeiros do pioneiro de todos aqui na capital deste esporte Pedro Morila Fuentes, que é até hoje o mestre de todos, o pioneiro Pedroca



O sonho de Pedroca virou realidade


Sim, nós podemos? Sim, nós fizemos! OK, faça você agora




O Pedrocão virou um templo do basquete de arte na emoção da vida duma cidade



O esporte é mesmo uma energia pura e maior


"A gente usa o slogan do Obama, para refletir sobre estas incríveis gerações dos anos 60", comenta José Celso Ramos Bota, enquanto Michel Zamarano Kury esclarece que "já haviam acontecido algumas tentativas de fazer categorias menores em Franca na época do Amazonas, depois rolou um outro projeto do Yara Clube, com o apoio do Dharma. Mas este é só mais um episódio da história do basquetebol francano. Michel e Bota contam muitos detalhes. Confira o vídeo aqui no blog da gente sobre o Franca Basquete com narração de Valdes Rodrigues. Este esporte começou nessa cidade do nordeste paulista, já em 1908, em 1931, havia 3 equipes na cidade, em 1959, um marco: chegou vindo de São Paulo Pedro Morila Fuentes, o professor Pedroca e com ele a revolução que resultaria nas décadas seguintes no supercampeão Franca Basquetebol, que ganhou todos os tipos de títulos. Só falta o Mundial de clubes, a equipe do Hélio Rubens Garcia foi duas vezes vice. Está na hora quem sabe agora deste título quem sabe agora na final da Liga da Sul Americana, depois virá a Liga das Américas, o Sesi Franca Basquetebol finalmente chegará a ser campeão mundial para celebrar de vez essa história? O atual treinador Helinho Garcia, filho do Helião e também herdeiro do mestre de todos na cidade, Pedroca, acredita que sim e antes de viajar para a final na Argentina deu o tom: "Estamos indo à luta pelo melhor para todos nós".



Helinho Garcia vai à luta agora na Argentina...



...comandando uma equipe com muitos talentos individuais mas que sabe jogar coletivamente


Aí, dois atletas e esportistas Michel e Bota
, sem nenhuma estrutura que valesse a pena, somente com um sonho de dar oportunidade e fazer diferença na vida de meninos sonhadores, baseados na filosofia de jogo, simples objetiva e extremamente vitoriosa do Professor Pedroca, eles começaram a trabalhar, exaustivamente em busca de um sonho: formar equipes vencedoras, realizando aquilo que até então parecia impossível, vencer as poderosas equipes paulistanas, que contavam com uma estrutura invejável, para nós. "Estas equipes tinham maior visibilidade e chegavam no final do ano com incríveis número de partidas realizadas no ano, às vezes jogavam 3 vezes mais do que nós.", argumenta Michel: "Enfim como um trabalho tão amador, com tamanhas dificuldades em todos os aspectos, pode um atleta ou um time se tornar tão vencedor e tão respeitado como é hoje o basquete francano? Sim nós podemos e fizemos isso virar realidade". Bota concorda com a alma local e a mística mundial deste esporte, que é uma arte, a paixão duma cidade há 110 anos o Basketball made in Franca.




O basqueteiro Michel relata os sonhos dos meninos em Franca agora e desde os anos 60

Seu amigo Bota cita também Vanderlei e o Dharma Yara...

...um outro time que marcou época aqui e no país


 Chuí e Rogério às vezes em equipes opostas mas também parceiros se consagraram no Franca Basquete



Este é o primeiro duma série de resumos sobre a arte do basquete made in Franca: ex-atletas e ex-diretores, Michel Zamarano Kury e José Celso Ramos voltarão a escrever aqui e a contar momentos de luta e de superação dos basqueteiros francanos: confira mais um trecho do texto deles na seção de comentários agora aqui no blog da gente, da ecologia e da cidadania)





Sesi Franca Basquete pronto para a luta agora 5ª feira na Argentina


Nesta quinta feira, começa em Córdoba na Argentina pela Liga da América do Sul a luta por mais um título contra o Instituto e a favor de na sequência quem sabe, talvez, um dia ainda em breve transformar em realidade o sonho de ganhar o Mundial de Clubes. "Quando se sonha juntos, isso é o começo da realidade", escrevia Miguel Cervantes. O Globo Esporte hoje destaca o garoto Didi, 19 anos, do Sesi Franca Basquete: na cidade, o repórter Rodolfo Tiengo entrevistou o capixaba Marcos Henrique Louzada Silva, o Didi, um garoto símbolo da atual equipe que tinha apenas 4 meses de idade, ainda no Espírito Santo, quando a equipe então liderada pelo Helião Rubens Garcia ganhou em 1999 a Liga das Américas na República Dominicana. Aliás, aproveite o gancho da atualidade dessa luta e confira o vídeo de Ronaldo Ignácio sobre a capital do basquetebol feito ainda nos anos 90, agora Franca já celebra 110 anos deste esporte. Os basqueteiros como Michel e Bota também continuam indo à luta por aqui na cidade, na emoção e na ecologia do basquete, no jogo do dia a dia da vida no interior do Brasil.



Uma das formações que ficou na história 


Aqui jovens hoje da base do Sesi Franca Basquete


O 6º jogador e alma da equipe de Franca é a galera que mais entende e mais vibra com o basquete em todo o país



Fontes: Jornais Diário da Franca - Comércio da Franca                            Sites CBB - NBB - GE - Google

                  folhaverdenews.com.br




9 comentários:

  1. Já temos alguns comentários, logo mais editaremos esta seção, venha conferir depois, mais informações, mais história, mais emoção, mais mensagens e opiniões.

    ResponderExcluir
  2. "Poxa, que legal essa matéria, eu nasci em Franca e pouco pude acompanhar da explosão do basquete aí, mas agora estou antenado mais ainda quando essa equipe joga onde for, estou ligado": comentário de Rui Nogueira, engenheiro civil, que atua na região de Vitória, Espírito Santo.

    ResponderExcluir
  3. Você pode direto nesta seção o seu comentário ou se preferir ou precisar enviar mensagem pro e-mail da redação do blog da gente que aí postamos aqui para você, mande então seu conteúdo para navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  4. Vídeos, fotos, material de informação, textos, comentários, opinião, crítica, elogio, quaisquer conteúdos envie com toda liberdade direto pro e-mail do nosso editor deste blog, mande para padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. "Quando eu era pequeno jamais imaginaria virar jogador profissional algum dia. Mas com certeza irei fazer de tudo pra ajudar minha equipe a conquistar esse título agora na Argentina": comentário de Marcos Henrique Louzada Silva, que é o jovem atleta Didi, um dos destaques hoje do Sesi Franca Basquete, em entrevista feita pelo repórter Tiengo do Globo Esporte.

    ResponderExcluir
  6. "Didi tinha apenas quatro meses quando o Franca Basquete ganhou a Liga das Américas na República Dominicana em novembro de 1999. Na final, o time então comandado por Hélio Rubens, pai, levava o tetracampeonato no Pan-Americano": comentário do jornalista esportivo Rodolfo Tiengo, do Globo Espórte.



    ResponderExcluir
  7. "Hoje vemos que temos uma estrutura ótima no basketball made in Franca, que vem conseguindo resultados fantásticos, mas para chegarmos até aqui, precisou que uma geração maravilhosa 1966, 67, 68 e 69 fizessem diferença e mudassem o rumo da nossa história. Geração esta que, trouxe para todos a certeza, de que era possível o sonho da gente": comentário da dupla de Franca (SP) José Celso Ramos Bota, ex-atleta, especializado em marketing esportivo, basqueteiro, assim como seu amigo e parceiro Michal Zamarano Kury,

    ResponderExcluir
  8. "O que antes parecia impossível, virou realidade. Eu e o Michel temos um orgulho muito grande de liderar toda uma rapaziada nesta empreitada, e mesmo que a história não entenda, e nem comente sobre tão brilhante feito. Fica para nós todos, a alegria humilde e calma, sem precisar de reconhecimento e a certeza que desfrutamos dos nossos encontros e nossas lutas": comentário ainda do nosso personagem basqueteiro José Celso Ramos Bota. .

    ResponderExcluir
  9. “Sim nós fizemos valer nossos sonhos“: comentário também de Michel Zamorano Koury. Ele e seu amigo José Celso Ramos Bota poderiam de cátedra dizer agora, os dois jovens mestres do esporte e da superação dos limites, falando com a atual e futura geração basqueteira: "OK, façam vocês agora"...

    ResponderExcluir

Translation

translation