segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

NÃO SÓ CIENTISTAS E ECOLOGISTAS MAS ATÉ A ENTIDADE DO AGRONEGÓCIO DEFENDE QUE O BRASIL CUMPRA O ACORDO DO CLIMA ASSINADO NA ONU JUNTO COM OUTROS 195 PAÍSES HÁ DOIS ANOS

O país que sair do Acordo de Paris terá dificuldades nas suas exportações: é o que  admite a Associação Brasileira do Agronegócio e a Abag agora então dá razão ao movimento ecológico, científico e de cidadania que vinha apregoando esta posição há tempos e por motivos que não são os negócios mas sim o equilíbrio ambiental


Agora até líderes ruralistas defendem Acordo do Clima da ONU


Esta notícia repercute internacionalmente porque o Brasil havia assinado publicamente o acordo em Paris há 2 anos mas depois saíram comentários que o país não cumpriria as metas deste documento oficial da ONU, seguindo a linha de Donald Trump, presidente dos Estados Unidos que voltou atrás. "A saída do Acordo do Clima conforme foi várias vezes anunciado pelo atual governo será negativa para o país, para a ecologia e também até para o agronegócio brasileiro", é a manchete da revista Exame, em notícia divulgada também pelo Estadão Conteúdo, publicando esta avaliação agora feita pelo diretor executivo da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), Luiz Cornacchioni, que é engenheiro agrônomo e se preocupa com esta saída vir a se confirmar  ao longo de 2019, depois de autoridades governamentais brasileiras terem recusado sediar ao final deste ano uma conferência mundial sobre clima e meio ambiente há 2 anos  já agendada pelas Nações Unidas: “Quem querer sair do Acordo de Paris é porque nunca exportou nada”, disse com todas as letras o presidente da Abag, lembrando que só em 2018, este setor exportou mais de US$ 100 bilhões, "em muitas questões é preciso o bom senso de ser sustentável diante do que vem acontecendo com o clima, desrespeitar o acordo mundial vai levar nosso país a perder negócios pela má imagem desta atitude, o Brasil assinou o acordo em abril de 2016 em encontro da ONU, aqui o Congresso Nacional aprovou e, então essa posição se tornou algo vigente na lei nacional, outros países não aceitarão este recuo agora". 



A reação internacional é um dos motivos


Para o líder ruralista Luiz Cornacchioni uma saída real do acordo climático (acordo estabeleceu a meta de limitar o aumento da temperatura do planeta ao menos a 1,5ºC, até 2100) poderá prejudicar todo nosso país em negociações no exterior: “Se tirarmos a sustentabilidade da equação atual ela não fecha”. 

Momento histórico e público do Acordo do Clima em 2016



Segundo a Abag entidades como a Apex-Brasil ou ainda a Sociedade Rural Brasileira e a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) têm promovido em vários países propaganda para mostrar casos de sucesso do agronegócio brasileiro, como a produção de biocombustíveis e projetos de pecuária sustentável: "Isso gerou resultados práticos, quebrando alguns paradigmas e desmistificando preconceitos, sair deste acordo mundial climático será algo negativo". Luiz Cornacchioni defendeu, ainda, a necessidade de o Brasil respeitar todas as questões ambientais, também as certificações internacionais. “Isso não afetará em nada nossa soberania e mostrará uma disposição positiva. Temos a oportunidade de ser protagonistas no agronegócio e ser relevantes nessas discussões e temas ambientais hoje é essencial para todos". 


A posição de Trump  é exceção negativa e reflete interesses somente da indústria petrolífera



(Confira na seção de comentários aqui do nosso blog de ecologia e de cidadania outras informações nesta pauta, como a opinião do próprio ministro atual do Meio Ambiente, que entre idas e vindas das autoridades governamentais no tema afirmou agora devido à questão comercial que o Brasil deveria se manter a favor do Acordo de Paris)



Economia hoje precisa respeitar a ecologia...

...para evitar um caos do clima e do meio ambiente


Fontes: exame.abril.com.br - jornal O Estado de São Paulo
              folhaverdenews.com.br

7 comentários:

  1. "Ministro diz que Brasil deveria permanecer no Acordo mas a grande mídia não destaca esta mudança de posição. Nesta sexta-feira o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou que o Brasil deveria se manter no Acordo de Paris e disse acreditar que o país vai continuar como signatário do documento": comentário extraído da notícia base para este post que saiu na revista Exame da Abril e np Estadão. Confira a seguir.

    ResponderExcluir
  2. “Não precisamos sair do acordo do clima. É preciso ter muito cuidado e saber identificar oportunidades de avanços em parcerias e recursos que decorram dessa agenda e, por outro lado, identificar riscos que temos que evitar de ingerência internacional sobre o território, a produção agropecuária e o patrimônio genético”: comentário do novo ministro do Meio Ambiente em entrevista à rádio Eldorado de SP, do grupo Estadão: “O acordo do clima não é totalmente ruim nem bom. É um guarda-chuva sob o qual podemos fazer coisas boas e evitar coisas ruins, e é nessa linha que eu acho que devemos caminhar”.



    ResponderExcluir
  3. A seguir outras informações nesta pauta, você pode por aqui também a sua opinião ou informação, se preferir ou precisar, envie a mensagem para a nossa redação que aí a gente posta aqui no blog, mande para navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  4. Vídeos, como este de hoje com Vander Lee, que nos foi enviado por Clara, de Belo Horizonte, você também pode nos enviar aqui para o blog, vídeos, fotos, material de informação mande direto pro nosso editor de conteúdo padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. "O profissional do organismo financeiro também alerta que as mudanças climáticas podem levar à pobreza 100 milhões de pessoas em todo o mundo, pelos próximos dez anos. Todos devemos nos preparar para os futuros desastres naturais extremos e ajudar a evitá-los faz sentido economicamente e é também um imperativo moral": comentário de Alexandre Kossoy, especialista do Banco Mundial, sobre o Acordo do Clima, no site da ONU. Ele ainda explica detalhadamente os compromissos que o Brasil assumiu para combater o aquecimento global.



    ResponderExcluir
  6. "Reduzir emissões de gases do efeito estufa é uma responsabilidade assumida por todos os países signatários do Acordo de Paris": comentário extraído de matéria neste tema feita no site Nexo Jornal.

    ResponderExcluir
  7. “Não existe plano B porque não existe planeta B”: comentário de Ban Ki-moon, ex-secretário-geral das Nações Unidas, sobre as mudanças climáticas e a necessidade de todos os países manterem as metas do Acordo de Paris, est´pa no site da ONU.

    ResponderExcluir

Translation

translation